Caçamba elétrica

Caçamba elétrica

JAC Motors lançará no Brasil, em abril de 2020, a picape elétrica iEV 330P

Dilma sanciona lei que beneficia caminhoneiros e retira transportadoras da desoneração da folha
Maior navio mineraleiro do mundo parte do Maranhão para a China em sua primeira viagem
DB Schenker Logistics fortalece negócios na China

A JAC Motors aposta alto nos veículos elétricos. Além de um hatch compacto, dois SUVs e um caminhão de seis toneladas, a marca trará da China, a partir de abril do ano que vem, a primeira picape 100% elétrica do mercado brasileiro. “É a primeira picape elétrica a ser produzida em série do mundo. Será usada por empresas prestadoras de serviços públicos e concessionárias”, comemora Sério Habib, presidente da JAC Motors do Brasil.

Na China, a JAC tem longa história com os elétricos. Seus “iEVs”, ou “Intelligent Electric Vehicles” – algo como “Veículos Elétricos Inteligentes” – já estão em sua sétima geração por lá e sua produção ocorre desde 2008. Para se ter uma ideia da evolução, o primeiro modelo JAC iEV tinha menos de sessenta quilômetros de autonomia e levava mais de quarenta horas para ter uma carga completa de bateria. Em seu país de origem, a JAC detém 5% do mercado de veículos elétricos e já desponta como o quinto maior fabricante desse tipo de carros do mundo.

O modelo iEV 330P foi batizado por causa de seu torque de 33 kgfm. A picape tem dimensões generosas. São 5,6 metros de comprimento, 25 centímetros a mais que a Ranger, e 3,38 metros de entre-eixos, 16 centímetros maior em comparação à picape média da Ford. A picape da JAC tem 1,84 metro de altura e 1,83 de largura. Sua bateria é maior que a dos outros modelos elétricos da marca: tem 67 kWh, com autonomia de até trezentos quilômetros, e a potência do motor é de 150 cavalos.

O modelo, segundo a JAC, não será voltado ao consumidor final. “O comprador tradicional de picape como carro de passeio no Brasil está ligado ao agronegócio, e, muitas vezes, usa o veículo para viajar, ou para rodar longas distâncias rurais. Esse não é o caso de nossa picape elétrica. Estamos tratando esse modelo como um veículo comercial e focaremos as vendas em concessionárias de serviços, como do setor elétrico e de TV a cabo, para serem utilizadas como viaturas de manutenção, apoio e serviço”, explica Habib. O Peso Bruto Total da iEV 330P é de 3 mil quilos e a carga útil é de oitocentos quilos.

Primeiras Impressões

Grande e esperta

 

São Paulo/SP – Apesar de seus mais de 2.200 quilos de peso total descarregada, a picape elétrica da JAC é nervosa. Graças a seu motor de 150 cavalos e torque de 33 kgfm, ela acelera de zero a 100 km/h em menos de 9 segundos e traz uma boa resposta em retomadas e arrancadas. O torque máximo instantâneo dos elétricos normalmente impressiona e a picape representa bem essa característica. Suas dimensões generosas fazem com que o motorista se sinta em uma picape de verdade, apesar da posição baixa do volante, com pouca amplitude de regulagem.

O modelo disponibilizado pela JAC para o test-drive não é o mesmo que será comercializado no Brasil: faz parte de uma geração anterior. Por isso, traz alguns comandos e mostradores não digitais no painel, com marcadores de velocidade e consumo imediato em formato analógico, com ponteiros. O espaço interno e o conforto animam. A picape é alta e tem, em seu interior, diversos nichos para guardar objetos.

Sem carga na caçamba, a iEV 330P se comportou bem no pesado trânsito paulistano. Além das arrancadas fortes, ela tem grande estabilidade e ótima visibilidade para o motorista. O engate das posições do câmbio é bem simples e a manobrabilidade é fácil, com grande raio de giro e alcance de retorno. Os componentes internos trepidam um pouco, talvez pelo fato de a picape estar já há alguns anos em demonstração.

O controle de tração e o sistema eletrônico de torque facilitam muito na direção, mas não houve a oportunidade de testar o veículo com carga máxima nem em terreno mais acidentado. Apesar disso, deu para sentir a suspensão bem calibrada, macia e balanceada. A posição de dirigir não chega a ser perfeita e a regulagem dos bancos não é das melhores. No entanto, para seu uso proposto, como utilitário em empresas prestadoras de serviços públicos, está bem dimensionada.

por Leonardo Doca, da Agência Transporta Brasil
especial para a Agência AutoMotrix

COMMENTS