De olho na transformação digital da logística

De olho na transformação digital da logística

Artigo do especialista Newton Ferrer, Head Comercial na ConectCar Mobilidade Eletrônica S.A, exclusivo para a Agência Transporta Brasil

Anteo é a nova marca de pneus da Prometeon
VW Caminhões e Ônibus entra para o Logística Verde Brasil
ZF amplia sua divisão E-Mobility
Por: Newton Ferrer*

A tecnologia tem mudado uma boa parcela dos nossos comportamentos como sociedade. Presente nos nossos celulares e, muito em breve, em qualquer dispositivo conectado com a Internet das Coisas, ela já transformou a maneira como nos comunicamos, trabalhamos, compramos e, mais recentemente, tem alterado nossa relação com o dinheiro.

O próximo setor a ser impactado pela tecnologia é o de logística, assunto amplamente debatido em eventos do setor, como o Frotas Conectadas, que reuniu diversos representantes dessa indústria, inclusive a ConectCar. Apesar de ser parte crucial de qualquer mercado, a logística sempre operou nos bastidores, e muitas vezes era percebida somente quando parava de funcionar. Essa característica discreta da indústria das frotas acabou se consolidando, e os players do setor acostumaram-se a trabalhar de uma maneira mais ponderada, sem galgar muito os holofotes da inovação para si.

Porém, com o crescimento constante dos aplicativos de pedidos e de entregas, este cenário vem se transformando rapidamente. Esses aplicativos – que realizam a logística final (last mile), que é a última etapa da logística e aquela que leva o produto montado para o cliente final, têm inspirado toda a categoria, que hoje busca soluções disruptivas e diversas inovações para a mobilidade geral.

Pensar em mobilidade é pensar em maneiras de utilizar toda a capacidade da malha já construída, evitando ociosidade no processo. Além de tecnologias que conectam entregadores a cargas por proximidade e disponibilidade, o setor de frete vem encabeçando outra frente estratégica de inovação: a de pagamentos. Essa inovação otimiza um dos pilares da entrega e melhora a eficiência de toda a cadeia.

Em parceria com as startups financeiras, as chamadas fintechs, a indústria tem desenvolvido soluções que lidam com pagamentos de frete sem necessariamente envolver o entregador, garantindo mais segurança e transparência nas transações, uma necessidade real da atualidade, em que as transportadoras estão se esforçando para permitir entregas urbanas e atender o mercado de e-commerces. Com um sistema de pagamentos completamente integrado, acelera-se o processo de entregas, garantindo maior eficiência da mobilidade como um todo.

Neste sentido, o pagamento eletrônico de pedágio pode ajudar na redução do tempo da viagem, visto que o veículo não precisa parar na praça de pedágio para efetuar o pagamento e, com isso, tem-se a redução de emissão de monóxido de carbono, desgaste com frenagem e com combustível.

É claro, essa é a situação atual. O futuro próximo demanda ainda mais soluções, pois apresenta um panorama bem mais desafiador com o crescimento de carros autônomos, carros conectados e inteligência artificial, por exemplo. Por isso, é crucial que as empresas comecem hoje a se preocupar com essas questões. Em um cenário onde o frete é mais produtivo, todo mundo ganha: o produto final fica mais barato, há menos veículos nas ruas, mais caminhos livres para todos, mais empregos e mais produtividade. Empresas que estão se movimentando nesse sentido tendem a ser as que prosperarão num futuro próximo.

*Newton Ferrer é Head Comercial na ConectCar Mobilidade Eletrônica S.A

Exclusivo para a Agência Transporta Brasil

Agência Transporta Brasil (ATB)
agencia@transportabrasil.com.br

+ Saiba tudo do mundo do transporte rodoviário. Curta nossa página no Facebook!
Agência Transporta Brasil – ATB

COMMENTS