Os 10 brutos mais vendidos do Brasil

Os 10 brutos mais vendidos do Brasil

Na lista Mercedes-Benz e Volkswagen são as marcas mais representadas

Mercedes-Benz coloca 1.000 caminhões em test-drive
Mercedes-Benz entrega primeiros caminhões fabricados em Juiz de Fora (MG)
Os astros de janeiro

Nos cinco primeiros meses do ano, as vendas de caminhões aumentaram 51,64% nos primeiros cinco meses do ano se comparar a igual período ano passado. E 10 modelos estão na lista dos mais vendidos no segmento praticamente desde que o ano começou, colaborando para o bom faturamento de suas fabricantes.

Confira a lista!

Volvo FH 540

O Volvo FH 540 traçado é o mais popular da família por ser dono do motor de maior potência dentro da gama de 13 litros e ser dotado de inteligência embarcada que lhe garantem eficiência. Não por acaso, nesses primeiros cinco meses foram emplacados 2.569 unidades da versão.

Recentemente, a Volvo apresentou a linha 2020 de toda família F e o maior destaque é o que a Volvo batizou de Aceleração Inteligente, ferramenta que controla a intensidade da aceleração conforme a topografia, velocidade e carga transportada. Com isso, por exemplo, quanto mais carregado o veículo estiver numa descida, por exemplo, vai aproveitar a inércia, com velocidade, poupando combustível.

A nova linha 2020 ainda chega com novo turbo de geometria variável, além de componentes como camisas e anéis de menor atrito. Por tudo isso, o novo FH já apresentou em testes com clientes redução de combustível na ordem de 5%.

Além de eficiência, o FH entrega equipamentos que auxiliam na segurança e na performance do condutor ao volante, como I-See sistema que faz a leitura do trajeto onde o veículo passa e no retorno fará o trajeto de modo mais econômico por ter reconhecido o percurso. Os dados da rota ficam arquivados na nuvem e podem ser compartilhados com demais FH da frota.

Outra ferramenta de série é o Driver Coaching que avalia o condutor e por meio de notas apresentadas no painel de instrumentos dá dicas sobre o comportamento do motorista ao volante, aceleração, frenagem, troca de marchas etc.

Mercedes-Benz Actros 2651 6×4

O Actros é sem dúvida um produto que comprova o quanto a marca da estrela chegou ao seu mainstream como fabricante de pesados. O produto chegou em 2010 ao mercado brasileiro, ainda importado. O que serviu de abertura para uma relação duradoura entre a Mercedes-Benz e os frotistas de pesados Premium. A marca ouviu esse empresário e foi desenvolvendo um caminhão que atendesse às necessidades do transporte nacional. Não por acaso o 2651 6×4 vendeu 1.807 unidades nos cinco primeiros meses de 2019.

O modelo mais vendido da marca e o segundo caminhão mais vendido do Brasil é o topo de linha em motor e configuração de eixo, um traçado para operações com PBTC de até 74 t. O motor OM-460 atrai pela manutenção simplificada – já que compartilha peças com os pesados de entrada da gama Axor, favorecendo em relação aos custos com manutenção, mais convidativos para as empresas.

O OM desenvolve potência de 510 cv a 1.800 rpm e 244 mkgf a 1.100 rpm, que, para atender à norma Proconve P7, utiliza a tecnologia SCR. A transmissão é a G 330-12, automatizada PowerShift de 12 velocidades sem anéis sincronizadores, também produzida pela Mercedes-Benz e comuns aos demais caminhões pesados da marca.

Essa transmissão com inteligência embarcada conta com modos de condução que ajudam na melhor economia de combustível. Modo EcoRoll que coloca a transmissão em neutro de forma segura e controlada e o caminhão segue desenvolto sem gastar combustível (como se fosse uma banguela eletrônica); modo Power que garante força para ultrapassagens e subidas, por exemplo, oferecendo trocas de marchas com rotações mais elevadas, no entanto, caso o motorista tenha feito a ação e a tecla Power ainda estiver acionada, em 10 minuto o sistema desabilita. E por fim, o modo Manobra ajuda o motorista a manobrar dentro dos pátios sem a necessidade de acelerações, resultando em economia.

Scania R 450


O novo caminhão da Scania deve chegar ao topo de vendas antes mesmo do que se imagina. O R 450 chegou para substituir o R 440, que foi o líder de vendas da marca em 2018 e em anos antecessores . Bom, fato é que apesar de o modelo herdar só o nome da marca e nomenclatura da cabine, o R 450 em nada se parece com o antecessor, e ainda está 10% mais econômico, conforme já divulgado por clientes que rodam com o veículo desde o início do ano. E por toda essa boa fama, o R 450 está na terceira posição do ranking com 1.679 unidades emplacadas nesses primeiros cinco meses.

O motor de 6 cilindros em linha é de 13 litros e desenvolve potência 450 cv a 1.900 rpm e torque de 240 mkgf de 1.000 a 1.300 rpm. Esse motor ganhou novo sistema de injeção XPI cujo atributo é a injeção de alta pressão, sistema que de forma precisa faz o fornecimento de combustível, sem desperdícios poupando combustível. Por esse sistema o caminhão ficou 8% mais econômico.

A esse propulsor está combinada a nova geração de transmissão Opticruise que possui o sistema lay shaft brake, de freio de eixos, solução que faz diferença quando relacionada à condução e desempenho já que permite a troca de marcha ser feita 0,4 segundos mais dinâmica, ou seja, o tempo de troca caiu pela metade, e isso contribuiu também para que a pressão do turbo fosse mantida. Isso significa que o veículo irá aumentar a velocidade para a próxima marcha com mais torque.

Outra boa nova é que essa atual geração de caminhões, e inclui o R 450, é oferecida com a opção do ADAS (Advanced Driver Assistance Systems) com frenagem de emergência, aviso de saída de faixa e controle de cruzeiro adaptativo.

Volvo FH 460


O Volvo FH compartilha dos mesmos atributos do irmão mais potente e líder de vendas e assim como a versão 540 também pode ser dotado de itens de segurança como volante com airbag de série e itens de segurança ativa como sensor de ponto cego, de invasão de faixa e sistema de frenagem de emergência em caso de risco de colisão frontal.

O modelo vendeu 1.633 unidades de janeiro e maio deste ano.

Essa versão do Volvo FH tem motor Volvo de 13 litros com potência de 460 cv de 1.400 a 1.900 rpm e torque de 235 mkgf de 1.000 a 1.400 rpm, combinado a I-Shift, transmissão automatizada de 12 marchas que é série na linha FH.

Volkswagen Delivery 11.180


O médio Delivery 11.180 é o modelo de maior sucesso da família Volkswagen. A marca teve a sacada de lançar um caminhão com atributos de leve, mas que tecnicamente carrega como um caminhão médio. Vale ressaltar, porém, que a Ford foi a primeira marca a introduzir um caminhão com essas características com o Cargo 1119, o que salvou bastante o segmento de médios no Brasil.

Por se tratar de um produto mais moderno e com mais tecnologia embarcada, o Delivery 11.180 superou a Ford em vendas e hoje responde por mais de 50% das vendas entre os médios, com 1.614 modelos vendidos.

Destaque para o peso em ordem de marcha que varia de 3.250 kg a 3.400 kg, lhe garantindo a maior carga útil frente ao seu único competidor.
O caminhão é equipado com rádio, trio-elétrico, console de teto e farol de neblina, e na versão intermediária ainda acrescenta banco do motorista com suspensão pneumática, ar-condicionado e piloto automático. Na versão mais completa, a coluna de direção conta com multirregulagem, o computador de bordo é mais completo e o caminhão tem com protetor de degraus.

O Delivery 11.180 também é equipado com motor Cummins, de 4 cilindros, com potência de 175 cv a 2.600 rpm e torque de 61,2 mkgf de 1.100 a 1.700 rpm. Esse motor combina a caixa Eaton, mas a versão ESO 6106, manual de 6 marchas.

Volkswagen Constellation 24.280

Esse modelo já liderou o ranking de vendas por anos, mas ainda segue por 13 anos, ou seja, desde o seu lançamento, o líder de vendas dentro do seu segmento de semipesados.

O modelo que já vendeu nos primeiros cinco meses do ano 1.381 unidades é considerado versátil pelo motor que equipa com sistema EGR que dispensa o uso de Arla 32. Isso lhe rendeu boa fama, sobretudo no início da P7 (equivalente a Euro 5), pela praticidade.

Versátil, o Constellation 24.280 pode ser aplicado em operações rodoviárias de curtas, médias ou longa distância e para isso tem as opções de cabine: estendida, leito teto baixo ou alto. O veículo permite atender necessidades de até 23.000 kg de PBT.

O caminhão traz motor MAN D06 de 6 cilindros com 275 cv a 2.300 rpm e torque de 107 mkgf de 1.100 a 1.750 rpm. Ele tem a opção da transmissão manual de 9 marchas ou a automatizada V-Tronic de 6 velocidades, ambas fornecidas pela ZF.

Volkswagen Delivery 9.170

O leve da Volkswagen encabeça o segmento de mesmo nome com 1.269 unidades vendidas. O modelo, direcionado às operações urbanas de 9 t de PBT, tem motor é o Cummins ISF de 3,8 litros e tecnologia SCR, que desenvolve potência de 165 cv a 2.600 rpm e torque de 61,2 mkgf de 1.100 a 1.700 rpm combinado a transmissão manual Eaton ESO-6106.

Em termos de acabamento o caminhão chama a atenção pelo conforto e dirigibilidade ao motorista. A cabine é espaçosa e conta com 15 porta-objetos bem distribuídos. A coluna de direção e o banco do motorista são reguláveis, assegurando mais comodidade e praticidade para o condutor.

DAF XF 105


Posicionado como caminhão Premium da marca, o DAF XF105 emplacou 1.073 unidades de janeiro a maio e é oferecido nas configurações de eixo de 4×2, 6×2 e 6×4 nas potências de 410 cv, 460 cv e 510 cv. Há ainda uma versão off-road com PBTC de 91 t do XF 105, porém com potência de 520 cv.

Esses caminhões, de série, já trazem itens de conforto como banco com suspensão pneumática, ar-condicionado, preparação para climatizador, e controle automático de temperatura (ATC), opções de entre-eixos, e de acabamento do painel de instrumentos. Há ainda os retrovisores bipartidos com ajustes elétricos e desembaçador térmico e DAF Night Lock (trava mecânica de segurança), entre outros.

A versão mais vendida é a com motor de 510 cv e tração 6×4 para combinações com PBTC de até 74 t.

Para essa configuração o motor é Paccar MX de 13 litros, de 6 cilindros em linha com potência de 510 cv de 1.500 a 1.900 rpm, e 255 mkgf de torque entre 1.050 a 1.410 rpm.

Esse motor trabalha combinado a uma transmissão automatizada ZF AS-Tronic de 12 velocidades.

Na configuração 6×4, o modelo é oferecido com opções de entre-eixos de 3.300 e 3.500 mm.

Mercedes-Benz Accelo 1016

O Accelo em termos de inovação superou seu maior rival da gama Delivery, já que foi lançado com a opção do câmbio automatizado cheio de tecnologia já que conta com os modos de condução: função Eco (para rodar no modo mais econômico) e Power (para situações de força em trechos de aclives e serras e nas ultrapassagens). E tudo isso por apenas R$ 5 mil adicionais. O modelo que nos primeiros cinco meses vendeu 1.046 unidades, agora pode incomodar com folga.

A tecnologia também tem sistema que reconhece a inclinação da pista e a carga do veículo realizando a troca de marcha de forma mais correta e adequada de acordo com as condições de pista e do veículo.

Chama a atenção, ainda, o sistema de partida em rampa que auxilia o condutor a sair do semáforo, por exemplo, sem deixar o veículo descer, caso esteja em uma subida. Só com esse sistema é possível poupar combustível já que evita o motorista ficar pisando no pedal de embreagem e do acelerador na tentativa de segurar o veículo antes de sair do semáforo.

A nova transmissão trabalha com o motor Mercedes-Benz OM 924 LA de 4,8 litros, o mesmo utilizado nos semipesados Atego de 17 t. Desenvolve potência de 156 cv a 2.200 rpm e torque de 62,2 mkgf de 1.200 a 1.600 rpm. Trata-se de um motor de 4 cilindros em linha de 4,8 litros.

No quesito segurança, o Accelo conta com freio ABS (por força da lei), EBD (distribuição eletrônica da força de frenagem nos eixos) e ASR (controle de tração das rodas).

Mercedes-Benz Atego 1719

Esse modelo de 17 t de PBT teve bons resultados de vendas nos primeiros cinco meses do ano com 1.002 unidades emplacadas, ainda mais se contar que durante o ano de 2018 inteiro ele vendeu 1.297 modelos.

A busca crescente ao modelo se deve, sobretudo, pelo fato de ele ser um caminhão versátil já que atende operações com plataforma, coletor de lixo e bebida. E ainda conta com a versão Pacote Robustez para atender clientes que precisam trafegar por trechos mistos.

O segundo caminhão mais vendido entre os semipesados tem entre-eixo de 3.571 mm, 4.796 mm e 5.409 mm. Seu motor é o OM 924 LA com potência de 185 cv a 2.200 rpm e torque de 71,3 mkgf de 1.200 a 1.600 rpm. Sua transmissão de série é a G-85 de 6 marchas manual, e a opcional é a automatizada de 8 marchas. Esse caminhão também é preparado para receber o 3º eixo, aumentando, assim, o seu PBT para 21.300 kg.

Andrea Ramos, Editora-executiva da Agência Transporta Brasil (ATB)
andrearamos@transportabrasil.com.br

+ Saiba tudo do mundo do transporte rodoviário. Curta nossa página no Facebook!
Agência Transporta Brasil – ATB

COMMENTS