Motor V8 da Scania completa 50 anos

Motor V8 da Scania completa 50 anos

O bólido motor da Scania depois de cinco décadas ainda mexe com o imaginário coletivo de muitos fãs

Entrevista com o diretor da Paccar Financial, banco dos caminhões DAF
Implementos em ritmo de recuperação
ANFIR projeta recuperação do mercado de implementos para 2020

LK 140 V8 produzido em São Bernardo do Campo

Em 1969, quando a Scania lançou seu primeiro motor V8 de 350 cv, ele foi aclamado como o mais potente propulsor diesel da Europa. Contudo, a decisão de desenvolver um motor dessa magnitude – leia-se motor de oito cilindros com arquitetura em V – veio bem antes, em 1960 com Bengt Gadefelt, conhecido como o “pai do Scania V8”. Ele foi o chefe de design dos motores diesel da marca entre as décadas de 1960 e 1980.

Gadefelt antecipou a necessidade de motores fortes, para atender, especialmente, a demanda do transporte mais pesado.

No início dos anos 60, a Scania contava com seis motores nas versões de 8 e 11 litros, atingindo potência máxima de 250 cv. Contudo, a engenharia da até então Scania-Vabis percebeu que para o futuro próximo essa cavalagem não seria suficiente e seria preciso “sacudir” o mercado de motores.
Foi, então, que Gadefelt como líder no desenvolvimento de motor, deu a tarefa aos seus colegas de desenvolver um propulsor mais potente.

“Percebemos que cerca de 350 cv eram necessários para conseguir uma boa performance. Isso significava aproximadamente 100 cv a mais em relação ao que tínhamos na época”, disse Gadefelt mais tarde, ao olhar para o projeto.

Bengt Gadefelt-chefe de engenharia e design dos anos 60

Enquanto o mercado demandava por motores mais fortes, a tendência por caminhões mais compactos aumentava. Foi aí que a engenharia da marca se deparou com o desafio de encaixar um motor maior sob uma cabine mais curta.

O conceito desenvolvido por Gadefelt e seus colegas resultou em um motor V8 de 14,2 litros. Esse powertrain tinha todos os atributos que os engenheiros da Scania estavam procurando: alta potência em baixa rotação, poucas mudanças de marchas e potência extra suficiente em toda a faixa de velocidade do motor.

Esse motor foi equipado no LB140, caminhão cara-chata que rapidamente foi aclamado pela indústria. Os clientes apreciaram também a aparência do motor em V com cabeçotes individuais por cilindro, além, claro, da potência de 350 cv combinada a uma curva de torque em baixas rotações. Havia, ainda, o som do motor, aquele ruído que se tornaria uma das maiores características do V8.

É sucesso que chama

A Scania fabricou mais de 170.000 motores V8 de 14 litros no total, tornando-se, de longe, o motor mais vendido no segmento de alta produção.
Mas o futuro do motor V8 estava ameaçado durante o final dos anos 80, quando a Scania trabalhava em um de seus maiores projetos, a Série 4 lançada em 1995. O desafio de montar um V8 num bloco de motor para esse projeto não era tão simples e dividiu opiniões da engenharia da marca.

Alguns eram favoráveis a ideia de motores de 11 e de 14 litros que tirassem o máximo de proveito dentro da nova realidade da época que era a tecnologia de injeção, necessária para atender à norma de emissão de poluentes vigente na época, a Euro 3. Mas outro time enfatizou a importância do V8 como valor de imagem da marca Scania e o quanto ele contribuiu nas vendas.

Um dos protótipos com ângulo de 72º

Para resolver o desafio, os engenheiros da Scania iniciaram o desenvolvimento de uma configuração de motor completamente nova: um V8 com um ângulo de 72° mais estreito. Cerca de 12 protótipos foram construídos, dos quais dois ainda estão guardados na fábrica da matriz da Scania, em Sördërtalje, Suécia.

E nasce o V8 de 16 litros

Segundo Gadefelt, o motor de 72° teria um layout muito complexo, especialmente o virabrequim. Com outra solução de injeção escolhida, optou-se por desenvolver um motor totalmente novo de 90° e de maior capacidade, de 16 litros.

Primeiro Scania V8-3

A nova tecnologia chega em meio ao desafio de atender a legislação de emissões e os requisitos ambientais que foram se tornando mais rigorosos com a chegada dos padrões Euro 3, 4 e 5, e em meados dos anos 90 a Scania estava preparada para atender essa grande etapa tecnológica.

Com a chegada do novo milênio, a lenda original foi finalmente substituída pela versão mais moderna, o potente V8 de 16 litros, nas potências de 480 cv e 580 cv a 1.900 rpm e com torque de 2.700 Nm, mais que o dobro do V8 original de 1969. Outro passo importante que a Scania deu com o novo motor foi a modularização: muitos componentes, incluindo o cilindro, eram os mesmos utilizados para os motores em linha. O conceito modular é de enorme importância para sinergias no desenvolvimento e produção da Scania, mas também é benéfico para os clientes, pois facilita o serviço, além da reposição de peças.

Uma nova era para o V8

Após o lançamento do V8 de 16 litros, o trabalho continuou no intuito de aprimorar o bólido. Em 2005, a empresa lançou sua mais ampla linha de motores, incluindo V8 de 500 cv, 560 cv e 620 cv para motores Euro 3, Euro 4 e Euro 5 com até 3.000 Nm de torque.

Com a legislação Euro 6 se aproximando na Europa, a Scania disponibilizou recursos para as novas tecnologias dos motores como recirculação dos gases de escape, turbo geometria variável, injeção de combustível de alta pressão common rail, redução catalítica seletiva e filtragem de partículas. Acrescenta-se a isso, a própria tecnologia de gerenciamento do motor e de exaustão da Scania integrada em um único sistema.

Em seguida a fabricante começou a trabalhar no desenvolvimento do motor de 16 litros, aumentando o volume de 15,6 para 16,4 litros e introduzindo um novo bloco de cilindros mais leves e resistentes em CGI (ferro de grafite compactado). Ao mesmo tempo, a Scania apresentou o motor mais potente: um V8 de 730 cv com um torque máximo de 3.500 Nm.

Nos anos seguintes, o desenvolvimento de motores e cabines continuou intenso. Quando a Scania introduziu seus novos caminhões Streamline em 2013, a empresa também apresentou sua segunda geração da série Euro 6, incluindo motores V8 de 520 cv, 580 cv e 730 cv.

Em sintonia com as demandas ambientais, a Scania também continuou a desenvolver motores que podiam funcionar com uma variedade de combustíveis renováveis. Todo caminhão V8 produzido desde 2015 pode operar com biodiesel-HVO.

Nova geração

No 125º aniversário da empresa em 2016, a Scania introduziu uma gama de caminhões totalmente nova. O maior lançamento de produtos da história da empresa foi o resultado de 10 anos de desenvolvimento e um investimento de mais de 2 bilhões de euros. Aqui no Brasil, a geração chegou este ano.

O motor V8 para a nova geração conta com um novo bloco de cilindros reforçados para gerenciar ainda mais a pressão.

O V8 no Brasil

Scania V8-620

No Brasil, o caminhão com motor mais potente com produção nacional é o Scania V8 de 620 cv que chegou com visual renovado com a nova geração. Mas a história do motor V8 da marca do grifo com o Brasil começou em 1975 com o LK 140 de motor V8 de 350 cv. Esse modelo seguiu evoluindo e na década de 1980 já atendia por LK 141 com 375 cv. Nos anos 80 a Série 2 chegou ao Brasil, e junto com ela a evolução com o T 142, e na década posterior evoluindo para o T 143 de 450 cv.

Em 2001 foi a vez do R 164 exibir o motor V8 de 480 cv e pelo conjunto da obra, desenho e powertrain, o caminhão ganhou o status de Rei da Estrada.

Na sequência, com a chegada da gama P, G, R o V8 passou a atender a linha R de caminhões nas potências de 560 cv, 580 cv e 620 cv.

Com a chegada da nova geração o motor de 620 cv de 16 litros, além de poder ser equipado na cabine R, agora pode ser equipado na cabine S, topo de linha da marca.

Andrea Ramos, Editora-executiva da Agência Transporta Brasil
andrearamos@transportabrasil.com.br

+ Saiba tudo do mundo do transporte rodoviário. Curta nossa página no Facebook!
Agência Transporta Brasil – ATB

COMMENTS