Cargo 1933 abre o segmento na Ford

Cargo 1933 abre o segmento na Ford

O caminhão não é expressivo, não é tão competitivo frente a alguns concorrentes, porém, o seu conjunto técnico lhe dá algumas vantagens

Aracaju recebe ônibus Neobus
Chile vai receber mais 120 novos ônibus Volvo e Marcopolo
Ford série F: e agora?

O segmento de cavalos mecânicos de entrada não tem expressão nas vendas, tanto que esses caminhões não aparecem na lista dos dez primeiros mais comercializados nessa categoria.

Contudo, para quem tem recursos limitados e também não necessita de mais performance com relação a velocidade média, o Ford Cargo 1933T pode ser uma alternativa. Mas isso se a política de preço de aquisição for vantajosa.

Isso porque, diferentemente dos caminhões vocacionais da marca, que são adquiridos por sua resistência e não seu valor de revenda, os cavalos mecânicos comumente são revendidos, já que geralmente eles só têm quilometragem alta. Se as manutenções forem regradas rendem um bom valor na hora da revenda.

Robustez está no DNA

O Ford Cargo 1933 trator, cujo PBTC é de 45.150 kg, é equipado com o mesmo trem de força dos seus irmãos vocacionais, portanto, em termos de resistência ele ganha vantagens. Seu motor é Cummins ISL 8.9 de 6 cilindros em linha que desenvolve potência de 334 cv a 2.100 rpm e torque de 132,6 mkgf de 1.000 a 1.500 rpm.

O caminhão de série possui a transmissão Eaton FTS 16112 de 13 marchas, na versão manual, e a Eaton F 11E316 LSD, opcional que é automatizada de 16 velocidades. Mas o seu preço sugerido pela Fipe, unidade 0 km é de R$ 266.263 e válido para a versão manual. De série o Cargo possui freio a tambor em todas as rodas com ABS, ASR e EBD.

O habitáculo é um dos menores entre os cavalos de sua categoria, mesmo com cabine leito, porque ele herda a mesma cabine dos semipesados da família.

Os competidores

Os caminhões que mais competem com o Cargo 1933 estão na mesma faixa de potência.

Mercedes-Benz

O MB Axor 1933 já começa com o PBTC superior, de 46.000 kg. Ele é motorizado com o OM 926 LA, de 326 cv 2.200 rpm e torque de 127 mkgf de 1.100 a 1.200 rpm, o Axor foi um dos primeiros modelos posicionados como caminhão de entrada a oferecer de série a transmissão automatizada, com a MB G 211 de 12 velocidades que atende por PowerShift.

Essa caixa trabalha com modos de direção, o que facilita o dia a dia do motorista na estrada, entre elas o modo Potência que dá mais desenvoltura ao veículo para vencer ultrapassagens, e o EcoRoll, um módulo que coloca a transmissão em neutro de forma segura e controlada. O procedimento é executado sem a intervenção do motorista e auxilia ainda mais na redução de consumo. De série tem freios ABS (por força de lei) com ASR e EBD de série. Ele custa R$ 289.550, preço mais alto, mas deve se levar em conta que a transmissão inteligente é de série.

Volkswagen

O VW Constellation 19.330 Titan deu popularidade à fabricante no segmento de extrapesados, porque junto com a versão com motorização na casa dos 300 cv, a fabricante ampliou a família que atualmente possui modelos de até 440 cv.

O modelo, cujo PBTC é de 45.000 kg também tem motor Cummins ISL com potência de 330 cv a 2.100 rpm e torque de 147,9 mkgf se 1.000 a 1500 rpm, combinado a uma transmissão manual ZF 16 AS 1585 TD. Ele custa R$ 268.810.

Ainda há a opção de câmbio automatizado, também uma ZF de 16 marchas.

Andrea Ramos
Editora-executiva da Agência Transporta Brasil
andrearamos@transportabrasil.com.br 

+ Saiba tudo do mundo do transporte rodoviário. Curta nossa página no Facebook!
Agência Transporta Brasil – ATB

COMMENTS