Os protagonistas de 2018

Os protagonistas de 2018

Mercedes-Benz entrega primeiros caminhões fabricados em Juiz de Fora (MG)
Os astros de janeiro
Juiz de Fora (MG) reforça atuação da Mercedes-Benz na América Latina

Com o melhor ano dos caminhões, desde 2015, nessa reportagem elencamos os dois mais queridos de cada categoria

QUEM VENDEU MAIS EM 2018

Da Agência Transporta Brasil – Desde 2015 não se via o mercado de caminhões tão aquecido como foi em 2018. Contudo, alguns modelos colaboraram para os bons resultados. Para se ter uma ideia, ano passado, as vendas de caminhões aumentaram 46,79% frente a 2017, segundo dados da Fenabrave.

Nessa reportagem, a Agência Transporta Brasil (ATB) mostra quais são os modelos que mais se destacaram por segmento e o porquê vale a pena ficar de olho neles em 2019, se você pretende renovar ou aumentar a frota. Confira!

SEMILEVES

1º Mercedes-Benz Sprinter 415 – conforto e tecnologia

Com 1.545 unidades vendidas durante o ano passado, a Sprinter 415 é a prova de que o consumidor está cada vez mais preocupado com segurança, além do bem-estar extra que o carro oferece a bordo é claro. Não por acaso ela tem 33,82% de participação.

A Sprinter 415 atende aos segmentos de carga e de passageiros. Na versão de carga possui PBT de 3.880 kg e sua carga útil é de 1.740 kg. Tudo bem que boa parte dos itens que agrega para promover a segurança e o conforto são opcionais, contudo, são esses feitos que rendem boa fama ao veículo, além, é claro, da estrela de três pontas destacada na frente.

Além do ABS (por força de legislação), a Sprinter 415 é equipada com ASR (controle de tração), ESP (controle eletrônico de estabilidade) com integração do BAS (sistema de assistência de frenagem) e EBS (sistema de distribuição eletrônica da força de frenagem). O veículo ainda possui freios a disco em todas as rodas sendo os discos frontais autoventilados.

No quesito conforto possui ar-condicionado e rádio com entradas SDCard, USB, Auxiliar e conexão Bluetooth é de série. Volante multifunção e piloto automático com limitador de velocidade são itens opcionais.

O propulsor é o MB OM 651 CDI biturbo de 145 cv de potência e 33,6 mkgf de torque., combinado a uma transmissão manual ZF de 6 marchas.

2º Ford F-350 – um clássico comercialmente viável

Com 1.043 unidades vendidas, sendo o segundo colocado nas vendas entre os semileves, com 22,83% de participação, o F-350 é um veículo já integra a fama dos clássicos, porém ainda em franca produção.

Essa “picapona” vai muito bem pelo interior do país, já que entrega robustez já na aparência. Seu desenho bicudo na parte frontal ainda faz muito sucesso entre frotistas e autônomos. E além de entregar a aquela aparência de veículo forte, ainda há a vantagem do PBT de 4.500 kg sua capacidade de carga útil é de 2.128 kg.

O Ford F-350 é equipado com motor turbodiesel Cummins que desenvolve 150 cv de potência e 36,7 mkgf de torque, com sistema de injeção common rail. A esse motor está combinado a transmissão Eaton de 5 velocidades manual.

Destaque para o ar-condicionado de série, assim como os freios com ABS (por força de lei) e EBD.

A bordo o espaço da cabine é algo que chama a atenção, tanto que faz jus a fama de picapona.

LEVES

1º VW 9.170 – novidade entre os leves

O Volkswagen Delivery 9.170 apresentado em 2017 chegou com nova identidade visual e com aparatos muito mais modernos em relação a gama anterior – que já teve sua produção interrompida no final de 2018.

Com 2.030 unidades vendidas, essa versão, que chega para atuar no segmento de coleta e distribuição possui PBT de 8,5 t e já encabeça o topo de vendas entre os leves com 17,60% de participação. Trata-se de um veículo desenvolto para atuar em operações urbanas e interurbanas já que possui versões de entre-eixos de 3.400 mm, 4.000 mm, 4.400 mm e 4.600 mm ampliando ainda mais sua aplicação.

Nem só o design foi renovado, pois graças ao uso de materiais mais modernos, o modelo teve redução de peso em torno de 10% na comparação com seu antecessor, o que se traduziu em com maior capacidade de carga. Segundo a fabricante, o modelo também está mais econômico. O Delivery 9.170 é equipado com motor Cummins ISF de 3,8 litros que desenvolve potência de 165 cv e torque de 61,2 mkgf que trabalha em harmonia com a caixa manual ESO-6106 de 6 velocidades.

2º Mercedes-Benz Accelo 1016 – maduro e eficaz

Para quem precisa transportar mais, o Accelo 1016 é uma proposta interessante. O modelo, que durante 2018 vendeu 2.007, representado 17,40% do mercado de caminhões leves. O modelo chegou como uma evolução do Accelo 915 C, com a vantagem de levar 600 kg a mais de capacidade de carga, resultando num PBT de 9.600 kg. Com entre-eixos de 4.400 mm o caminhão pode ser implementado com carrocerias de até 6,5 m de comprimento. Mas na versão com entre-eixos 3.700 mm é indicado para carrocerias de até 5,5 m. Hoje uma das mais populares é a de entre-eixos de 3.100 mm, adequada para VUCs, podendo receber carrocerias com comprimento de 4,5 metros.

O Accelo 1016 é equipado com motor Mercedes-Benz de 156 cv de potência e torque de 62 mkgf de 1.200 a 1.600 rpm. Para a transmissão há as versões manuais de 5 ou 6 velocidades, que o frotista vai eleger de acordo com a necessidade da operação, e ainda, há a versão automatizada de 6 marchas – que nesta configuração possui sistema capaz de identificar a inclinação da pista elegendo a melhor marcha, o que se traduz em economia de combustível.

MÉDIOS

1º VW 11.180 – O médio com cara de leve

O VW Delivery 11.180 foi lançado com a mesma proposta do Ford Cargo 1119: de ser um caminhão médio com agilidade de um leve, mas com capacidade de carga acima das 10 t de PBT – por isso está neste segmento ocupando o topo do ranking com 2.581 unidades emplacadas em 2018, o que resultou nada menos do que uma participação de 39,62%.

Essa solução do ´transporta mais com menos´ veio a calhar para a atividades de distribuição urbana, sobretudo para quem transporta cargas de maior densidade como distribuição de bebidas.

Com PBT de 10,7 t, a VW dispõe para o modelo as opções de entre-eixos de 3.400 mm, 4.000 mm, 4.400 mm e 4.600 mm, pois assim o frotista configura o veículo na versão mais adequada para sua operação. Contudo, o Delivery pode ter capacidade de carga útil entre de 7.300 kg e 7.450 kg.

O modelo 11.180 tem motor Cummins ISF de 3,8 litros, que desenvolve 175 cv de potência a 2.600 rpm e 61,2 mkgf de torque de 1.100 a 1.700 rpm. Esse motor trabalha com o câmbio Eaton manual ESO 6106 de 6 velocidades, sendo a última overdrive – uma conveniência para quem utilizar trechos rodoviários.

2º Ford Cargo 1119 – é o inventor do transporta mais com menos

O Ford Cargo 1119, além de ter perdido o posto no topo de vendas entre os médios – emplacando 1.257 unidades o que lhe garantiu 19,29% de participação na categoria –, com a chegada do competidor da VW ficou em desvantagem também no PBT de 10,5 t menor em relação ao alemão. Mas ainda assim, o caminhão, que inaugurou essa categoria, tem muito a oferecer.

O Cargo 1119 foi desenvolvido com o objetivo de atender e suprir uma demanda do mercado por veículos capazes de carregar maior densidade dentro da distribuição urbana. São 7.164 kg de carga útil, o que o torna indicado para uso com baú isotérmico, baú frigorífico, carga seca, guincho, plataforma e bebidas.

O caminhão 1119 é também equipado com motor Cummins ISB 4.5, de 4 cilindros em linha, com potência de 189 cv a 2.300 rpm e torque de 61,2 mkgf, de 1.100 a 2.100 rpm – uma faixa de torque generosa comparado ao componente alemão. Esse motor trabalha em conjunto com a caixa Eaton FSO-4505, mecânica, de 5 velocidades. E suas opções de entre-eixos são 3.900 mm e 4.300 mm.

SEMIPESADOS

1º VW Constellation 24.280 – um sucesso de vendas

O Volkswagen Constellation 24.280 é seguramente o caminhão mais popular do Brasil. O modelo, cujo PBT é de 23 t, atende operações rodoviárias de curtas a médias distâncias, o que lhe torna uma opção versátil para atuar em diversas aplicações.

Com 2.917 unidades emplacadas durante 2018, o modelo tem 15,33% de participação de mercado entre os semipesados.

O seu trem de força diz muito ao seu respeito. Equipado com motor MAN de 6 cilindros em linha, é o único de sua categoria a dispensar o Arla 32, já que possui tecnologia EGR de recirculação dos gases de escape. O que para muitos parecia tiro no pé, quando a tecnologia Euro 5 chegou ao Brasil, em 2012, para a VWCO foi a galinha dos ovos de ouro optar por essa tecnologia, uma vez que o frotista, pelo menos na época que a tecnologia desembarcou por aqui, não teria que se preocupar com a compra do reagente químico, poupando também alguns reais no bolso. Esse motor desenvolve 275 cv a 2.300 rpm e seu torque é de 107 mkgf de 1.100 a 1.750 rpm – este, o que lhe garante boa fama no mercado. Completa o trem de força a transmissão manual de 9 marcas ou a automatizada V-Tronic de 6 velocidades, ambas da ZF.

2º Mercedes-Benz Atego 2426 – Renovado e inteligente

Em 2017, a Mercedes-Benz renovou a família Atego. Entre as novidades, introduziu a caixa automatizada na versão 2426 (antes só o Atego 2430 possuía a caixa inteligente). Com isso, para os transportadores mais exigentes, o trucado 2426 se mostrou uma opção mais rentável. Não por acaso ele já se posiciona no segundo lugar de vendas nesse ranking, com 1.626 unidades vendidas, ou 8,55% do mercado.

O motor MB OM 926 LA chega em plena forma nessa nova geração, mantendo sua arquitetura de 6 cilindros em linha, com 7,2 litros, usando o sistema SCR em que há a necessidade do reagente químico Arla 32. Esse motor tem potência 256 cv a 2.200 rpm e torque de 92 mkgf de 1.200 a 1.600 rpm. De série o caminhão traz a caixa manual produzida pela Mercedes, a G-85 de 6 velocidades.

Uma vantagem para quem adquirir o Atego com caixa automatizada são os modos de condução que podem ajudar na economia de combustível e na segurança, já que possuem os modos “Power” que oferece mais força quando necessário, fazendo a troca de marcha em rotações mais altas; o modo “EcoRoll” que coloca a transmissão do veículo em neutro quando não há demanda de torque e, por fim, a função “Manobra” que propicia um controle preciso do veículo sobretudo em manobras.

PESADOS

1º Scania R440 – o caminhão que deixará saudades

Com a chegada da nova geração de caminhões da marca, cujo design e a mecânica foram inteiramente renovados, a gama Scania da qual fazia parte o pesado mais popular do segmento, o R440, sai de linha com sua produção interrompida em dezembro de 2018.

Neste mesmo ano, apenas o R440 vendeu 4.492 unidades, representando 12,92% do mercado de caminhões pesados.

O R440 mais popular e responsável por boa parte desses números é o modelo traçado, que durante o ano de 2018 teve um bom desempenho, já que é protagonista do transporte de grãos no país. O motor do Scania é o seu maior predicado, sendo o torque o grande responsável por essa boa fama. Trata-se de um propulsor de 13 litros, 6 cilindros em linha de 440 cv a 1.900 rpm e torque de 234,5 mkgf entre 1.000 e 1.300 rpm, sendo de série a transmissão Opticruise de 12 marchas automatizada.

2º Volvo FH 540 – é sofisticação que chama?

Por pouco, a Volvo que é dona do caminhão mais sofisticado em termos de inteligência embarcada, não leva a melhor no ranking. Com 4.188 unidades vendidas, lhe rendeu 12,05% de participação de mercado.

O FH mais vendido tem motor D13C540 de 6 cilindros em linha, de 540 cv entre 1.450 e 1.900 rpm e torque de 265 mkgf de 1.050 a 1.450 rpm – o maior da gama com propulsor de 13 litros.

Sua tecnologia é um diferencial como o I-See sistema que lê o trajeto por onde o caminhão passar e quando ele retorna ao mesmo local, por reconhecer o percurso, o fará com o propósito de garantir a máxima economia.

Na sua versão mais completa, o FH é equipado com ferramentas de segurança como câmera de monitoramento da faixa de rodagem, sensor de chuva, sensor de ponto cego, piloto automático e frenagem ACC – sistema de radar que garante uma distância segura do caminhão com o veículo da frente. Aliás, foi a Volvo a primeira marca de caminhões a trazer essas soluções de segurança para o Brasil, em 2009.

ATB – Agência Transporta Brasil – redacao@transportabrasil.com.br

COMMENTS