Mais de 30% da linha férrea do Brasil não está sendo utilizada

Mais de 30% da linha férrea do Brasil não está sendo utilizada

Número é resultado de estudo desenvolvido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) Com base em dados da Agência Nacional de Transportes Te

ANTT prorroga prazo para envio de sugestões sobre fiscalização do transporte ferroviário de cargas
Movimentação de cargas em portos e ferrovias aumenta no 1º trimestre
Movimentação de cargas por ferrovia para Porto de Santos (SP) cresce 42% em seis anos

Número é resultado de estudo desenvolvido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI)

Com base em dados da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), a Confederação Nacional da Indústria (CNI) desenvolveu um estudo e concluiu que mais de 30% da extensão de trilhos ferroviários do Brasil não estão sendo utilizadas e 23% estão sem condições operacionais.

O relatório denominado “Transporte ferroviário: colocando a competitividade nos trilhos” sugere que o caminho para a superação dos gargalos no setor passa necessariamente pelo aumento da conectividade do sistema, do tamanho da malha e da velocidade média dos comboios.

O estudo aponta que a malha ferroviária brasileira é um sistema com deficiências e dificuldades específicas envolvendo as concessionárias, além da ausência de concorrência no mercado e falhas na interconexão das malhas. Segundo o estudo, as características dos contratos de concessão firmados na década de 1990 geraram esses problemas.

Para o gerente executivo de Infraestrutura da CNI, Wagner Cardoso, uma forma de buscar a recuperação do setor é autorizar a prorrogação antecipada desses contratos de concessão, com isso as concessionárias passarão, a partir da renovação, a serem obrigadas a reservar uma parcela da capacidade instalada da ferrovia para compartilhamento e serão obrigadas a investir valores preestabelecidos na melhoria e ampliação das malhas. “Não renovar os contratos significa prolongar pelos próximos dez anos o reduzido volume de investimento e, consequentemente, os gargalos e trechos saturados disseminados no sistema ferroviário, congelando a atual capacidade de transporte das ferrovias do País”, disse.

O estudo integra 43 documentos sobre temas estratégicos. A entidade entregará o trabalho aos candidatos à Presidência da República.

 

COMMENTS