Cresce número de pontos vulneráveis à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes em rodovias

Cresce número de pontos vulneráveis à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes em rodovias

Foram identificados ao todo 2.487 locais entre 2017 e 2018; trabalho é parceria da Polícia Rodoviária Federal (PRF) com Childhood Brasil A Polí

Santos Brasil promove evento sobre combate ao abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes
SEQTRA assina pacto contra exploração sexual de crianças e adolescentes nas rodovias do País
Rodovias brasileiras têm quase dois mil pontos vulneráveis à exploração sexual de crianças

Foram identificados ao todo 2.487 locais entre 2017 e 2018; trabalho é parceria da Polícia Rodoviária Federal (PRF) com Childhood Brasil

A Polícia Rodoviária Federal (PRF), em parceria com a Childhood Brasil, divulgou na última semana o mapeamento nacional dos pontos vulneráveis à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes (ESCA) nas rodovias federais.

Este estudo é trabalho do efetivo da PRF entre os anos de 2017 e 2018. Foram identificados ao todo 2.487 pontos vulneráveis à exploração sexual de crianças e adolescentes, o que significa alta de 20% em relação ao anterior.

Sobre os pontos considerados críticos, ou seja, onde é maior a possibilidade de ocorrência de exploração sexual de crianças e adolescentes, houve uma pequena queda. Do biênio 2013/2014 para o biênio 2017/2018 houve uma redução de 77 pontos, o que resulta em cerca de 14%.

E observando comparativamente o biênio 2009/2010 em relação ao biênio 2017/2018, a redução é ainda maior, totalizando uma diferença de 435 pontos, aproximadamente 47%.

Conforme o levantamento foi sendo realizado ano a ano, em alguns estados foi detectada a “migração de pontos” para dentro pontos que não estão à beira de rodovias federais.

De 2005 até hoje, a PRF retirou de locais de risco em rodovias e estradas federais um total de 4.766 crianças e adolescentes vulneráveis.

Qualquer pessoa que identificar uma situação suspeita pode denunciar pelo Disque 100 ou utilizar o aplicativo Proteja Brasil.

COMMENTS