10 dias com o Vito

10 dias com o Vito

Dando início à nossa sessão de testes e impressões com os mais diversos veículos disponíveis no mercado brasileiro, a Mercedes-Benz se apresentou

Terminal de Rondonópolis (MT) poderá movimentar dez milhões de toneladas de grãos em 2014
Montadora indiana desenvolve carro movido a ar comprimido
Petrobras terá diesel S-50 e Arla 32 em 900 postos a partir de janeiro

Dando início à nossa sessão de testes e impressões com os mais diversos veículos disponíveis no mercado brasileiro, a Mercedes-Benz se apresentou como uma grande parceira da Revista Rodovia Brasil, do Portal Transporta Brasil e do Canal LEODOCA e gentilmente cedeu, por um período de 10 dias, um MB Vito furgão modelo 111 CDI. Fizemos diversas pequenas viagens com ele, transportamos carga, utilizamos seu interior como redação móvel, rodamos pela cidade, por rodovias e por algumas estradas não tão boas e o resultado você lê aqui:

Para começar, vamos apresentar este belo exemplar da engenharia alemâ: o Vito CDI 111 é um furgão de carga com peso bruto total de 3.050 quilos, o que o coloca em um patamar de veículos comerciais que podem ser conduzidos por motoristas que têm habilitação categoria B. Isso faz com que muitos comecem no transporte com esse tipo de veículo. Esse carro tem uma capacidade de carga útil de 1.225 kg e um volume total da zona de carga de 6 metros cúbicos.

O motor Mercedes-Benz é um OM622 Turbo Diesel Intercooler de 114 cavalos de potência e 1,6 litro. Um propulsor bem dimensionado pra um veículo leve, mas que tem que ter bom torque. A transmissão é manual de seis marchas, com a última alongada, útil pras estradas.

Adaptável e versátil

Isso se traduz em um veículo versátil, com uma boa capacidade de carga e aplicável para uma infinidade de operações. Outra coisa interessante no Vito é sua altura total, que é de 1,91 metro. Com esse tamanho, ele pode ser aventurar em qualquer garagem, entrada de condomínio, estacionamento, shopping centers ou residências sem qualquer problema. Isso ajuda muito na operação, principalmente para a carga e a descarga, mas também pra achar vaga pra guardar ele.

Nos dez dias de trabalho com o Vito, rodamos um total de 550 quilômetros. A média de consumo, trabalhando carregado, em trechos urbanos e de rodovia, incluindo estradas com pavimento não tão bom, foi de 12,3 quilômetros por litro de diesel. Lembrando que esse carro tem motor com tecnologia EGR e dispensa o uso de Arla 32.

Dentro dele

O espaço interno é muito bom, o acabamento é padrão Mercedes, não deixa nada a desejar, e os equipamentos disponíveis para o motorista são simples e completos. Tem airbag para o motorista e acompanhante, vidros elétricos, fechamento central das portas via controle remoto, ar condicionado e sistema de som com bluetooth. Isso permitiu que utilizássemos o Vito como uma redação móvel por vários dias. Dá pra atender o telefone sem usar as mãos, o isolamento acústico interno ajudou a gravar vídeos na cabine e, na parte de cargas, usamos o piso naval com ancoragens pra amarrar nossas cargas com facilidade.

Segurança e eletrônica

O Vito tem um sistema que ajuda muito na estabilidade do veículo. Além dos freios ABS com controle eletrônico, controle de tração e sistema de assistente de vento lateral, o Vito vem com o famoso ESP Adaptativo 9.1 da Mercedes. Ele inclui os freios ABS, que evitam o travamento das rodas, mesmo nas frenagens bruscas, o ASR, que evita que as rodas patinem, o BAS, que reconhece a velocidade de acionamento do freio e reduz a distância de frenagem, e o EBV, que é a distribuição eletrônica da Força de Frenagem, pra ajudar em situações críticas.

Um veículo que entrega diversas utilidades e versatilidade para o transporte urbano de cargas. Ganhou nossa avaliação máxima: nota 10.

COMMENTS