Falta de atenção foi o que mais provocou mortes nas rodovias federais em 2016

Falta de atenção foi o que mais provocou mortes nas rodovias federais em 2016

Informação faz parte da terceira edição do Atlas da Acidentalidade no Transporte, da Volvo

Acidentes de trânsito custam mais de R$ 240 milhões ao SUS
Lei do Motorista já pode ser fiscalizada em todo o território nacional
Governo proíbe caminhões grandes em rodovias federais durante feriados

A terceira edição do Atlas da Acidentalidade no Transporte, divulgado recentemente pela Volvo, explica que a falta de atenção foi o fator que provocou o maior número de mortes nas rodovias federais em 2016. O estudo foi feito a partir do banco de dados da Polícia Rodoviária Federal.

O documento é um diagnóstico dos acidentes de trânsito nas 165 rodovias federais do Brasil. No total, 1.215 pessoas morreram por falta de atenção das rodovias federais, seguidas por dirigir em velocidade incompatível com a via (914), ultrapassagens indevidas (510) e ingestão de álcool (439).

A taxa de letalidade caiu de 18,8 mortes/dia em 2015 para 17,5 mortes/dia em 2016. No ano passado, as estradas federais registraram 6.398 mortes e 21.420 feridos graves em 96.358 acidentes, que envolveram 216.249 pessoas.

A maior parte dos acidentes ocorre em dois picos ao longo do dia, às 7h, e no final da tarde, às 18h. Mas o maior número de mortes ocorre no horário noturno, entre as 3h e 4h. Segunda-feira é o dia com maior número de acidentes (17%) e a maioria das mortes ocorre na terça-feira.

O maior número de mortes foi registrado nos Estados de Minas Gerais, com 830 letalidades e 14.371 acidentes; Paraná com 652 mortes e 11.032 acidentes; Bahia, com 610 mortes e 5.496 acidentes; e Santa Catarina, com 450 mortes e 10.604 acidentes.

O trecho com maior número de mortos em 2016 está na BR 116, na saída de São Paulo, com 18 mortes. Logo na sequência ficou um trecho na BR 381, no interior de Minas Gerais, com 15 mortes. O maior número de acidentes (745) ocorreu na BR 101, na região metropolitana de Florianópolis (SC).

Com informações da CNT

COMMENTS