Comissão da Câmara aprova exame toxicológico para primeira habilitação nas categorias A ou B

Procedimento também passará a ser obrigatório nas renovações da Carteira Nacional de Habilitação

Multa para motorista que esquecer CNH pode ser abolida
Formação de novos motoristas poderá ser feita pela internet
Uso obrigatório do extintor veicular tipo ABC será prorrogado por 90 dias

Proposta que inclui o exame toxicológico entre os pré-requisitos exigidos do candidato à primeira habilitação nas categorias A ou B foi aprovada pela Comissão de Viação e Transportes da Câmara dos Deputados.

Conforme o texto do projeto, o procedimento também passará a ser obrigatório nas renovações da Carteira Nacional de Habilitação para condutores das categorias A (moto) ou B (carro) que trabalham com o veículo.

Atualmente, conforme o Código de Trânsito Brasileiro (Lei 9.503/97), o exame toxicológico é exigido apenas de condutores nas categorias C, D e E que dirigem veículos grandes, como ônibus e caminhões, geralmente transportando pessoas ou cargas.

Foi aprovado um substitutivo do deputado Hugo Leal (PSB-RJ) ao Projeto de Lei 6187/16, do deputado Valdir Colatto (PMDB-SC), que previa a exigência apenas para a primeira habilitação. “A proposta de trazer a exigência do exame toxicológico também para a primeira habilitação é um importante instrumento de combate ao consumo de drogas e de redução de acidentes”, disse.

Também está previsto no texto punição para o motorista que exerça atividade remunerada com o veículo e não tenha essa informação registrada em sua CNH. Essa conduta é, pelo texto, infração gravíssima e punível com multa.

O texto aprovado estabelece um prazo de seis meses para o início da exigência do exame na primeira habilitação e mais seis meses para a exigência na renovação da habilitação dos motoristas profissionais das categorias A e B. O substitutivo não explicita como as amostras serão colhidas.

A proposta tramita em caráter conclusivo e será ainda analisada pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ).

COMMENTS