Deputados definem frete mínimo para o transporte rodoviário

Deputados definem frete mínimo para o transporte rodoviário

Texto do deputado Assis do Couto (PDT-PR) segue para análise do Senado. Frete mínimo é questão polêmica entre transportadores

Comissão aprova proposta que obriga divulgação do valor arrecadado com multas de trânsito
Deputados estudam justificativa da autoridade de trânsito sobre recurso contra autuações
Comissão aprova fiança em caso de multa de trânsito para veículo licenciado no exterior

frete-minimo

O projeto do deputado Assis do Couto (PDT-PR), que define uma política de preços mínimos para o setor de transporte de cargas, foi aprovado em caráter conclusivo pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania no dia 20/6. O texto aprovado segue para análise do Senado.

Proposta determina que nos meses de janeiro e julho o Ministério dos Transportes defina, com base em proposta da Agência Nacional de Transportes Terrestre (ANTT), valores mínimos por quilômetro rodado para o frete cobrado no transporte rodoviário de cargas .

O projeto já prevê valores mínimos até que o Executivo regulamente a norma. Neste caso, vale R$ 0,90 por quilômetro rodado para cada eixo carregado, no caso de cargas refrigeradas ou perigosas, e de R$ 0,70, nos demais tipos de cargas. Para fretes considerados curtos, ou seja, em distâncias inferiores a 800 quilômetros, valores são acrescidos em 15%.

Relator na CCJ, o deputado Valtenir Pereira (PMDB-MT) propôs emenda para excluir do texto a previsão de penalidades pelo desrespeito aos valores mínimos previstos. “Parece-me equivocada a menção a penalidades, uma vez que o poder de regulamentar é de inteira competência do Poder Executivo”, disse Pereira.

O texto prevê que a definição de preços mínimos deverá levar em conta, prioritariamente, a oscilação do valor do óleo diesel e dos pedágios na composição dos custos do frete.

Ainda segundo o texto, os preços mínimos serão definidos com a participação de sindicatos de empresas de transportes e de transportadores autônomos de cargas, além de representantes das cooperativas do setor.

O projeto estabelece uma reserva de mercado para cooperativas de transporte rodoviário de cargas, que passarão a responder por, no mínimo, 40% do volume de carga transportado pelo governo federal por meio de rodovias.

Também ficou definido que, quando o frete for realizado por transportador autônomo, a remuneração de empresa transportadora não poderá ser superior a 5% do valor pactuado com o proprietário da carga, em caso de transportador-agregado, e de 7% quando o transportador for independente.

COMMENTS