VLI cria nova rota para escoamento de soja para o Porto de Itaqui (MA)

VLI cria nova rota para escoamento de soja para o Porto de Itaqui (MA)

Empresa criou solução de navegação para facilitar a chegada do produto ao Terminal Integrador Porto Nacional, em Tocantins, que é integrado à Ferrovia Norte-Sul

ALL e VCP transportam 130 mil toneladas de celulose de MS
Transportadores adotam balizador de fretes visando evitar desastre financeiro na safra 2015
Conab recebe autoridades da Nigéria para apresentar políticas agrícolas

vli-pera-ferroviaria17

A safra recorde de grãos que o Brasil está colhendo tem gerado enormes desafios logísticos para os produtores e todos os players da cadeia nacional de grãos. Os saturados portos do Sudeste precisavam de alternativas e a rota rodoviária para os portos do Pará sucumbiu diante a falta de condições da BR-163 e de toda a lama que deixou mais de 5 mil caminhoneiros isolados por semanas no Norte do País.

A VLI, empresa de soluções logísticas, apresentou no final de março o início de uma operação para ajudar os produtores do Mato Grosso e do Pará a escoar suas produções de Grãos, diretamente para o Porto de Itaqui, no Maranhão, utilizando um completo sistema multimodal de transporte.

A nova rota, em direção ao Terminal Integrador Porto Nacional, em Tocantins, que tem interligação com a Ferrovia Norte-Sul e caminho direto para descarregar no Porto de Itaqui (MA), nasce na integração de duas balsas que vão fazer a travessia dos caminhões carregados por 4 quilômetros de margem do Rio Araguaia, entre as cidades de Santana do Araguaia, no Pará, e Caseara, no Tocantins.

Para chegar ao Terminal Integrador em Tocantins, as cargas que vêm do leste do Mato Grosso e sudeste do Pará seguem de caminhão pela BR-158 até o acesso à rodovia PA-411, por onde seguem até Santana do Araguaia e, depois, embarcadas nas balsas, até Caseara. Depois desta etapa, as cargas seguem pelas rodovias TO-080 e BR-226 até o terminal.

Dos terminais, os grãos viajam de trem pela Ferrovia Norte-Sul e acessam a Estrada de Ferro Carajás para chegar ao Porto de Itaqui.

Para conseguir toda a integração logística exigida pela nova rota, a VLI firmou parceria com o consórcio Brinave, formado pelas empresas R. Navegações e Bravo Serviços Marítimo, responsáveis pela construção e operação das balsas. Uma das embarcações terá capacidade para transportar até seis carretas bi-trem e a outra comportará oito caminhões carregados. A previsão é de realizar 11 viagens por dia, movimentando um total de 200 mil toneladas de soja por mês.

“A missão da VLI é apresentar soluções logísticas que gerem valor ao negócio de nossos clientes. Incentivar esta nova rota, com a integração das balsas, vai ao encontro desta missão. Temos uma estrutura eficiente, integrada e pronta para atender a maior região produtora de soja do país”, diz o gerente de terminais da VLI, Leonardo Paiva.

O Terminal Integrador Porto Nacional é um dos mais novos da VLI, inaugurado em março de 2016 junto com o Terminal Integrador Palmeirante, este localizado ao norte do Tocantins. Juntos, os terminais totalizam um investimento de R$ 264 milhões e possuem capacidade para movimentar por ano cerca de 6 milhões de toneladas de produtos como soja, milho e farelo.

Ambos destacam-se pela capacidade de movimentação de grãos para o corredor Centro-Norte representando uma alternativa de escoamento em larga escala para a produção agrícola brasileira. Neste corredor, que começa nos terminais integradores e chega ao Terminal Portuário do Itaqui, os investimentos chegam a R$ 1,7 bilhão.

COMMENTS