VLI cria nova rota para escoamento de soja para o Porto de Itaqui (MA)

VLI cria nova rota para escoamento de soja para o Porto de Itaqui (MA)

Empresa criou solução de navegação para facilitar a chegada do produto ao Terminal Integrador Porto Nacional, em Tocantins, que é integrado à Ferrovia Norte-Sul

Portos paranaenses criam projeto para aproximação com agricultores
Volume de exportação de soja em grão bate recorde histórico
Juros da linha de financiamento do Moderfrota terão taxas reajustadas

vli-pera-ferroviaria17

A safra recorde de grãos que o Brasil está colhendo tem gerado enormes desafios logísticos para os produtores e todos os players da cadeia nacional de grãos. Os saturados portos do Sudeste precisavam de alternativas e a rota rodoviária para os portos do Pará sucumbiu diante a falta de condições da BR-163 e de toda a lama que deixou mais de 5 mil caminhoneiros isolados por semanas no Norte do País.

A VLI, empresa de soluções logísticas, apresentou no final de março o início de uma operação para ajudar os produtores do Mato Grosso e do Pará a escoar suas produções de Grãos, diretamente para o Porto de Itaqui, no Maranhão, utilizando um completo sistema multimodal de transporte.

A nova rota, em direção ao Terminal Integrador Porto Nacional, em Tocantins, que tem interligação com a Ferrovia Norte-Sul e caminho direto para descarregar no Porto de Itaqui (MA), nasce na integração de duas balsas que vão fazer a travessia dos caminhões carregados por 4 quilômetros de margem do Rio Araguaia, entre as cidades de Santana do Araguaia, no Pará, e Caseara, no Tocantins.

Para chegar ao Terminal Integrador em Tocantins, as cargas que vêm do leste do Mato Grosso e sudeste do Pará seguem de caminhão pela BR-158 até o acesso à rodovia PA-411, por onde seguem até Santana do Araguaia e, depois, embarcadas nas balsas, até Caseara. Depois desta etapa, as cargas seguem pelas rodovias TO-080 e BR-226 até o terminal.

Dos terminais, os grãos viajam de trem pela Ferrovia Norte-Sul e acessam a Estrada de Ferro Carajás para chegar ao Porto de Itaqui.

Para conseguir toda a integração logística exigida pela nova rota, a VLI firmou parceria com o consórcio Brinave, formado pelas empresas R. Navegações e Bravo Serviços Marítimo, responsáveis pela construção e operação das balsas. Uma das embarcações terá capacidade para transportar até seis carretas bi-trem e a outra comportará oito caminhões carregados. A previsão é de realizar 11 viagens por dia, movimentando um total de 200 mil toneladas de soja por mês.

“A missão da VLI é apresentar soluções logísticas que gerem valor ao negócio de nossos clientes. Incentivar esta nova rota, com a integração das balsas, vai ao encontro desta missão. Temos uma estrutura eficiente, integrada e pronta para atender a maior região produtora de soja do país”, diz o gerente de terminais da VLI, Leonardo Paiva.

O Terminal Integrador Porto Nacional é um dos mais novos da VLI, inaugurado em março de 2016 junto com o Terminal Integrador Palmeirante, este localizado ao norte do Tocantins. Juntos, os terminais totalizam um investimento de R$ 264 milhões e possuem capacidade para movimentar por ano cerca de 6 milhões de toneladas de produtos como soja, milho e farelo.

Ambos destacam-se pela capacidade de movimentação de grãos para o corredor Centro-Norte representando uma alternativa de escoamento em larga escala para a produção agrícola brasileira. Neste corredor, que começa nos terminais integradores e chega ao Terminal Portuário do Itaqui, os investimentos chegam a R$ 1,7 bilhão.

COMMENTS