Marinha investirá quase US$ 2 bi em novos navios

Projeto prevê construção de quatro corvetas médias, da nova classe Tamandaré, de 2,7 mil toneladas

Transportadores vão a Brasília pedir desoneração da folha
Governo federal estuda incentivos para armazenagem de etanol
César Borges não é mais o ministro dos Transportes

marinha-investimentos

Com a intenção de renovar meios de escolta e contemplar futuros negócios no mercado internacional de equipamentos de Defesa, a Marinha anunciou na última semana que vai investir US$ 1,8 bilhão na construção, no Brasil, de quatro corvetas médias, da nova classe Tamandaré, de 2,7 mil toneladas.

Conforme as especificações do projeto, serão navios com ampla carga digital, sistemas e armamento de última geração. Cada unidade vai sair por US$ 450 milhões.

Os estaleiros nacionais envolvidos no empreendimento trabalharão consorciados com empresas estrangeiras, especializadas na produção e desenvolvimento de embarcações militares, em regime de ampla transferência de tecnologia.

Segundo o contra-almirante Petrônio Aguiar, diretor de gestão de projetos da Marinha, a iniciativa “contribuirá para a capacitação da Marinha no domínio do ciclo completo da produção de seus próprios navios”.

Ao longo dos próximos meses, até o fim do ano, a Marinha cumprirá uma agenda de consultas técnicas aos estaleiros interessados no projeto, daqui e do exterior. O processo licitatório será encerrado em 2018. O início da construção está previsto para 2019 e as entregas serão feita no período de 2022 a 2025 – na cadência de um navio por ano.

As encomendas podem chegar a 12 unidades. O Arsenal da Ilha das Cobras, no Rio, principal instalação industrial da Marinha nesse setor, será considerado na negociação, provavelmente nas tarefas de integração final dos sistemas.

COMMENTS