Empresa de celulose investe R$ 54,4 mi na modernização do transporte marítimo de madeira

Projeto vai gerar 145 novos empregos temporários na Bahia e Espírito Santo e foi criado para abastecer a unidade industrial da Fibria em Aracruz (ES)

Jamef inaugura unidade em Vitória da Conquista (BA)
Terceira etapa da gincana do caminhoneiro será em Vitória da Conquista (BA)
Polícia fecha desmanche de caminhões na Bahia e Goiás

transporte-de-madeira-rio

A Fibria, maior produtora mundial de celulose de eucalipto, realizou o investimento de R$ 54,4 milhões em um projeto para modernização do transporte marítimo de madeira, realizado entre o sul da Bahia e o norte do Espírito Santo.

Segundo a empresa, o projeto vai demandar a criação de 145 empregos temporários para as obras de construção das estruturas e instalação de guindastes de grande porte no Terminal Marítimo de Caravelas, na Bahia, onde a madeira é embarcada, e no Terminal Marítimo de Barra do Riacho, no Espírito Santo, onde é feito o desembarque.

A operação está sendo concebida para o transporte das toras de eucalipto, provenientes das florestas plantadas e manejadas pela Fibria, para o abastecimento de sua unidade industrial em Aracruz (ES). Os novos equipamentos que estão sendo instalados nos terminais são de origem finlandesa e representam o que há de mais moderno em logística portuária, segundo a empresa.

“Com essas máquinas, vamos reduzir em 42% o tempo de carga e descarga das barcaças que transportam madeira”, disse Luiz Geraldo Micheletti Goessler, gerente de Logística Florestal da Fibria. Atualmente, o ciclo de viagem da barcaça que transporta madeira entre o Terminal de Caravelas (BA) e o de Barra do Riacho (ES) é de 12 horas. Goessler destaca os ganhos em segurança no transporte e os benefícios ambientais, com menor emissão de CO2, menor uso de combustível derivado do petróleo e redução no consumo de pneus. Cada barcaça que atua no sistema de transporte marítimo de madeira da Fibria (quatro no total) comporta carga equivalente a 100 viagens de carreta do tipo tritrem.

Destaques do projeto – Dos R$ 54,4 milhões investidos na modernização dos dois Terminais Marítimos, R$ 31,3 milhões são para obras civis e R$ 23,1 milhões nas novas máquinas portuárias (quatro guindastes: dois para o Terminal de Caravelas e dois para o de Barra do Riacho). Eles substituirão a operação de seis máquinas carregadeiras que atualmente fazem a movimentação de madeira nas barcaças. Em maio de 2017 entram em operação os dois primeiros guindastes – um em Barra do Riacho e outro em Caravelas. E no mês de agosto de 2017 entram os outros dois.

COMMENTS