VLI inaugura dois novos terminais intermodais em Tocantins

Comissão aprova proposta de integração da malha ferroviária
Auditoria da CGU aponta falhas em projeto de construção de ferrovia Transnordestina
17ª Intermodal South America reúne principais players do setor de logística

 vli-ferrovia-unidade

A VLI, empresa especializada em operações logísticas que integram terminais, ferrovias e portos, inaugurou, no dia 29 de março, dois novos terminais intermodais em Tocantins. Com investimento de R$ 264 milhões, os ativos destinados ao transbordo e armazenagem de grãos estão localizados nas cidades de Porto Nacional e Palmeirante, e fazem parte da estratégia da companhia para alavancar o crescimento do corredor logístico Centro-Norte, uma importante fronteira de produção agrícola, que engloba os Estados de Tocantins e Maranhão.

+ Rumo consegue adiar pagamento de quase R$ 3 bilhões de suas dívidas

Juntos, os novos empreendimentos terão capacidade para movimentar, por ano, cerca de 6 milhões de toneladas de produtos, como soja, milho e farelo, adicionando mais capacidade de movimentação para o corredor Centro-Norte e representando uma alternativa de escoamento em larga escala para a produção agrícola brasileira. As unidades seguem o modelo dos terminais integradores, implantados pela VLI em outras regiões do Brasil, e funcionam como polos concentradores de carga, aumentando a agilidade do escoamento de produtos pela ferrovia até o porto.

As cargas, originárias nas regiões produtoras do Matopiba (Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia), além do Mato Grosso, Goiás e Pará, chegam de caminhão até os terminais. Nas unidades, realiza-se a descarga dos caminhões, o armazenamento e o transbordo dos grãos para os trens. Os vagões carregados seguem pela Ferrovia Norte-Sul (FNS), também controlada pela VLI, para o Porto do Itaqui, localizado em São Luís, Maranhão, com destino à exportação.

Rota agrícola e crescimento
A construção do Terminal Integrador (TI) Porto Nacional e do Terminal Integrador (TI) Palmeirante visa atender à demanda crescente por alternativas para o transporte e exportação de grãos na região Norte e Nordeste, colaborando para a redução dos gargalos logísticos na cadeia nacional.

 + Ceva Logistics busca contratos em outros seguimentos para escapar da crise no setor automotivo

Dados da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) apontam que, embora os Estados de Mato Grosso, Goiás, Pará, Tocantins, Maranhão, Bahia e Piauí produzam juntos mais da metade da produção nacional de soja e milho, menos de 20% dos grãos provenientes dessas regiões são escoados e exportados pela infraestrutura dos portos do Norte e Nordeste. Todo o excedente da produção, ou seja, mais de 80%, ainda utiliza a infraestrutura do Sul e Sudeste do País. Desse modo, as transformações que a VLI vem realizando no corredor Centro-Norte dão suporte ao crescimento da produção, oferecendo uma infraestrutura viável e eficiente.

O plano de negócios da VLI prevê investimentos robustos no corredor Centro-Norte, impulsionado pelo desenvolvimento da região e demanda de transporte ferroviário, principalmente, para grãos. Além da inauguração dos novos terminais, a empresa também investiu na construção do ramal ferroviário de acesso ao Tegram. O montante, que gira em torno de R$ 1,7 bilhão, ainda inclui a aquisição de novas locomotivas e vagões, a construção e ampliação de pátios de cruzamento de trens ao longo da FNS e a construção de uma oficina de manutenção ferroviária no Maranhão.

+ Saiba tudo do mundo do transporte e da logística. Curta nossa página no Facebook!

COMMENTS