PUMA reduz emissão de poluentes do processo logístico em 33 toneladas com reuso de papelão

Inovação adotada pela Columbia Logística elimina a utilização de 5 500 quilos de sacos plásticos e bolsas de ar em caixas para transporte de materiais esportivos

IBGE estima safra recorde de 146,5 milhões de toneladas de grãos este ano
Politécnica da USP lança livro sobre a indústria da construção naval brasileira
Caminhões serão restritos na Linha Verde, em Curitiba (PR)

puma cd

A Columbia Logística otimizou seus processos logísticos e adotou uma solução que reduziu substancialmente a emissão de gases de efeito estufa nas operações para a PUMA, fabricante de artigos esportivos, no Centro de Distribuição de Cotia, região metropolitana de São Paulo.

+ Netshoes e Correios firmam acordo para melhorar entregas do e-commerce

O processo consiste no reaproveitamento de caixas de papelão, que eram descartadas e agora são remodeladas e utilizadas para proteção dos produtos da PUMA.

Antes desta mudança, a Columbia utilizava sacos plásticos ou bolsas de ar para preencher os espaços ociosos dentro das caixas onde os itens da marca eram acondicionados, para expedição ao comércio.

O volume mensal de 425 quilos de sacos plásticos utilizados nesta operação resultava na emissão de 0,43 tonelada de gás carbônico. E os 40 quilos de bolsas de ar geravam mais 0,04 tonelada de CO2 mensalmente. Assim, a operação para a PUMA vinha apresentando um alto impacto ambiental, se comparado com o baixo retorno financeiro do material utilizado.

+ Kuehne + Nagel Brasil empossa novo Diretor Presidente

Diante deste quadro, a Columbia estudou as possíveis soluções e decidiu adquirir um equipamento modelador de papelão, que transforma as caixas descartadas em material para proteção dos produtos da PUMA, deixando de utilizar, anualmente, 5.100 quilos de sacos plásticos e 475 quilos de bolsas de ar.

+ Saiba tudo do mundo do transporte e da logística. Curta nossa página no Facebook!

COMMENTS