Justiça libera São Paulo de exigir exame toxicológico para motoristas profissionais

Justiça libera São Paulo de exigir exame toxicológico para motoristas profissionais

Realização do exame se tornou obrigatória em todo país no dia 1º; amostras são enviadas para o exterior para análise e cada teste custa quase 400 reais

DNIT conclui ponte da Transamazônica sobre o Rio Araguaia
Cummins apresenta sistema integrado que atende ao Euro 5
BNDES suspende Finame PSI para caminhões. Procaminhoneiro está mantido

rebite

A Justiça Federal autorizou o Estado de São Paulo a não exigir o exame toxicológico para renovação ou obtenção da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) nas categorias C, D e E, voltadas para motoristas profissionais. O Conselho Nacional de Trânsito (Contran) prevê a realização do teste em todo o país desde sexta-feira, 1º de janeiro de 2016.

+ Caminhões estão proibidos de rodar em rodovias nos feriados de 2016

A pedido do Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo (Detran.SP), o Estado de São Paulo, por meio da Procuradoria Geral do Estado (PGE), ingressou com uma ação na Justiça contra a medida e conseguiu autorização prévia  para não condicionar a concessão da CNH ao teste. O processo continua em curso na Justiça Federal.

“Todo dia fazem leis, criam normas para onerar o povo. No passado foi aquele kit de primeiros socorros. Todo mundo gastou um dinheirão e ele depois foi dispensado. Depois era para trocar o extintor. Agora inventaram que tem que fazer um exame toxicológico. É um exame inútil. As entidades médicas e de segurança no tráfego dizem que não tem nenhum sentido”, afirmou o governador Geraldo Alckmin. “Só no Estado são mais de 4 milhões de motoristas. São trabalhadores, motoristas de caminhão, de ônibus, de van, de carreta, que teriam fazer esse exame”, completou.

+ Emplacamento eletrônico começará a valer a partir de 1º de janeiro

A comunidade médica e profissionais de trânsito de todo país são contrários à medida. Entre as críticas mais recorrentes está o tipo de exame. Para os especialistas, a exigência é discriminatória, inconstitucional, viola a ética médica e não há evidências científicas que comprovem sua eficácia para a segurança no trânsito. Além disso, o teste tem alto custo (cerca de 100 dólares) e não é feito por nenhum laboratório brasileiro. Hoje, as amostras são enviadas para análise no exterior.

A legislação federal prevê que o exame seja feito mediante a coleta de cabelo, pelo ou unhas com o objetivo de detectar o consumo de substâncias psicoativas que comprometam a capacidade de direção no momento de renovar ou obter a habilitação. O resultado precisa dar negativo para os três meses anteriores ao teste.

+ ANTT quer privatizar ligação rodoviária entre Mato Grosso e Pará

O resultado negativo, no entanto, não significa dizer que o cidadão não fará uso de drogas posteriormente, já com a CNH renovada, e conduzirá veículo sob efeito dessas substâncias. Além disso, conforme alerta da Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet), o motorista pode, por exemplo, burlar o teste ao deixar de usar drogas no período que é coberto pela janela de detecção (90 dias retroativos). “Seria mais eficiente um exame realizado na própria via, o que comprovaria que o condutor realmente dirige sob efeito de drogas”, afirma Daniel Annenberg, diretor-presidente do Detran.SP.

+ Saiba tudo do mundo do transporte e da logística. Curta nossa página no Facebook!

COMMENTS