Greve de fornecedores que interrompeu a produção de seis montadoras chega ao fim

Paralisação durou 19 dias e afetou fornecimento a GM, Toyota, Honda, Hyundai, VW e Ford

Transportadoras temem inadimplência e pedem reparcelamento de caminhões
Banco Mercedes-Benz encerra fevereiro com R$ 307 milhões em novos negócios
Mercado aquecido turbina resultados de bancos próprios

news-anisitia-greve

As empresas Intertrim e Trimtec, fornecedoras de bancos automotivos para grandes montadoras, voltaram ao trabalho na segunda-feira (30) após 19 dias de greve. A paralisação já havia afetado a produção de veículos na General Motors, Toyota, Honda, Hyundai, Volkswagen e Ford.

+ Saiba o que a JSL procura em um motorista (e o que ela não aceita de jeito nenhum)

As duas fábricas ficam em Caçapava (SP), pertencem ao grupo espanhol Antolin e estavam paradas desde o dia 12. Os trabalhadores conquistaram 11% de reajuste para salários de até R$ 2,5 mil. Acima desse valor serão aplicados 10,33%. Os funcionários também obtiveram abono de R$ 1,4 mil, vale-alimentação de R$ 200, estabilidade no emprego por 100 dias e reversão de 19 demissões ocorridas durante a greve. Os trabalhadores compensarão 50% dos dias parados, mas os salários serão pagos na íntegra.

+ Toyota inicia operações em seu CD de Suape (PE)

Juntas, Intertrim e Trimtec empregam 715 trabalhadores. Os funcionários também pleiteiam a mudança da representação sindical. Hoje pertencentes ao Sindicato dos Têxteis de Taubaté, eles querem ser enquadrados como metalúrgicos porque produzem componentes peças para veículos.

O Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região, filiado à CSP-Conlutas, informa que entrou com processo na Justiça do Trabalho para reivindicar o enquadramento das duas fábricas como metalúrgicas.

+ Fique por dentro de tudo o que acontece no Transporte e na Logística pelo Facebook

COMMENTS