Para desinchar Infraero, governo vai demitir 4 000 funcionários em 2016

Verbas de novas concessões serão utilizadas para pagar direitos trabalhistas a funcionários que aderirem ao plano de demissão voluntária

UPS lança novo serviço de transporte aéreo de carga
Avianca oferece degustação de vinhos durante voos
Infraero compra equipamentos para operações nos terminais de cargas

infraero-belem-obras

O Governo Federal espera desligar 4 000 funcionários da Infraero em 2016. A informação foi confirmada pelo ministro da SAC (Secretaria da Aviação Civil), Eliseu Padilha.  O plano é enxugar o quadro – hoje composto de 12 000 funcionários – em um terço, para reequilibrar a estatal, que arca com o inchaço desde o início das concessões aeroportuárias.

+ São Paulo prepara novo pacotão de concessões para o transporte

O número contabiliza funcionários de terminais já concedidos e daqueles que devem ser leiloados no ano que vem: Guarulhos (SP), Viracopos (SP), Brasília (DF), Confins (MG) e Galeão (RJ), da primeira fase; Florianópolis (SC), Fortaleza (CE), Porto Alegre (RS) e Salvador (BA), da nova etapa de concessões. “Tem gente sobrando. Se entregamos 50% da operação [nos aeroportos já concedidos, nos quais a Infraero mantém 49% das ações] e estamos funcionando, temos que encontrar um programa de demissão voluntária para os funcionários”, diz Eliseu Padilha.

+ Volvo é destaque na Fenatran, mas modelos ficam 8% mais caros em 2016

Segundo o ministro, a ideia é utilizar a primeira parcela do valor das novas outorgas para pagar direitos trabalhistas daqueles que decidirem aderir ao plano de demissões voluntárias, chamado PDITA (Programa de Incentivo à Transferência ou à Aposentadoria). Caso os profissionais sejam contratados pelas novas concessionárias, terá início uma nova relação trabalhista, independente da Infraero. O governo federal ainda deve reservar R$ 720 milhões do orçamento do ano que vem para os pagamentos.  Nas concessões anteriores, diz Padilha, foi dada a possibilidade de absorção desses trabalhadores pelas empresas. No entanto, isso não ocorreu.

Regras para as novas concessões

De acordo com o ministro Eliseu Padilha, as novas concessões devem ocorrer entre maio e junho de 2016. Ele explica que ainda está em definição da participação da Infraero, mas é certo que o percentual de ações da estatal será reduzido. A proposta da SAC é que a empresa detenha, no máximo, 15% das ações.

+ Fique por dentro de tudo o que acontece no Transporte e na Logística pelo Facebook

COMMENTS