Governo pretende reabrir linha de crédito para compra de caminhões

Governo pretende reabrir linha de crédito para compra de caminhões

Presidente da Anfavea fez o anúncio da volta do Finame PSI durante palestra na Fenatran como parte do plano para reaquecer o setor

Consórcio Maggi oferece condições especiais para a aquisição de caminhões Volkswagen
Governo quer mais facilidade no crédito a caminhoneiros para renovar frota de caminhões do país
ANTT prorroga validade do RNTRC para 28/9

iveco linha de produção

O Governo Federal sinalizou nesta segunda-feira (9) a empresários que o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) irá reabrir a linha de crédito Finame PSI destinada para o financiamento de caminhões e ônibus. O programa foi suspenso no fim de outubro. A informação sobre a retomada do programa foi dada pelo presidente da Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores), Luiz Moan, durante a abertura da 20ª edição da Fenatran.

+ Volvo é destaque na Fenatran, mas modelos ficam 8% mais caros em 2016

Segundo Moan, o PSI será reaberto nas mesmas condições que já vigorava, com as taxas de juros de 10% ao ano para grandes empresas, 9,5% para pequenas e médias e 9% para autônomos. O programa é importante para a indústria de veículos pesados, já que entre 70% e 80% das vendas de caminhões e ônibus no País costumavam ser feitas por meio dessas linhas de financiamento.

+ Caminhoneiros em greve serão multados em 1 915 reais

Em nota, o presidente da Anfavea afirmou que a reabertura do PSI é “fundamental para o desenrolar do mercado em 2015”. “Permitirá prosseguir com as atividades neste ano com as regras já definidas. Ao considerar a conjuntura atual do segmento, tenho a certeza de que a decisão foi extremamente acertada e poderá dar uma injeção de confiança nos consumidores e investidores.”

caminhoes-novos-patio

+ São Paulo prepara novo pacotão de concessões para o transporte

A Mercedes-Benz afirmou por meio de nota que a “decisão de reabrir a linha Finame PSI traz alívio para o setor” e que “o País precisa de medidas que assegurem o crédito a longo prazo aos investidores. A empresa diz ainda que, sem essa linha de financiamento, as vendas deste ano seriam ainda mais prejudicadas. De janeiro a outubro, segundo a Anfavea, o tombo ante o mesmo período em 2014 é de 45%, com 61 mil unidades.

+ Fique por dentro de tudo o que acontece no Transporte e na Logística pelo Facebook

COMMENTS