Combustível emperra expansão do setor aéreo, diz pesquisa

De acordo com o estudo feito pela CNT, seriam necessários 24,9 bilhões de reais para equilibrar o setor

Azul e Trip concluem integração de sistemas
Portugal cancela privatização da aérea TAP
Infraero conclui obras de ampliação do Aeroporto Internacional de Tabatinga (AM)

jk-aeroporto-brasilia

Embora o número de passageiros no transporte aéreo tenha crescido 210,8% entre 2000 e 2014 enquanto o preço médio das passagens caiu 43,1%, a Confederação Nacional dos Transportes (CNT) aponta que o alto custo do combustível de aviação e problemas de infraestrutura nos aeroportos ainda restringem uma expansão maior do setor e podem até prejudicar os resultados já alcançados.

+ American estreia Boeing 787 Dreamliner em voos para o Brasil

O estudo Transporte e Economia – Transporte Aéreo de Passageiros, realizado pela CNT em parceria com a Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear), mostra que o que mais pesa nos preços das passagens no País é o valor da querosene de aviação. O insumo é responsável por 37,3% dos custos das empresas aéreas e, segundo as entidades, custa mais caro no Brasil do que em outros países. O ICMS cobrado sobre o combustível chega a 25% em alguns Estados, enquanto a CNT defende uma alíquota máxima de 12%. “Isso teria um impacto importante de custos para as empresas aéreas e possibilitaria a redução dos preços dos bilhetes no Brasil”, destacou o diretor executivo da CNT, Bruno Batista.

+ Para desinchar Infraero, governo vai demitir 4 000 funcionários em 2016

Já os gastos com arrendamento, manutenção e seguro das aeronaves equivalem em média a 17% dos custos do setor, à frente das despesas com tripulação (9,6%) e com as tarifas aeroportuárias e de navegação (5,9%). “O custo de operação é muito alto e existe uma certa rigidez para se aumentar a oferta de assentos no curto prazo”, afirmou o diretor executivo da CNT.

Apesar disso, a entidade considera que ainda há muito potencial de crescimento no mercado brasileiro de aviação de passageiros. O número de viagens por habitante no Brasil foi de 0,50 em 2014, enquanto essa proporção é de 1,23 no Canadá, 2,10 nos Estados Unidos e de 2,44 na Austrália.

+ São Paulo prepara novo pacotão de concessões para o transporte

Para o diretor executivo da CNT, embora a satisfação dos usuários dos maiores aeroportos do País tenha aumentando nos últimos anos conforme pesquisas feitas pela Secretaria de Aviação Civil (SAC), o País ainda ocupa a 95ª posição no ranking de competitividade do setor elaborado pelo Fórum Econômico Mundial.

Para a CNT, seriam necessários  24,9 bilhões de reais em investimentos em infraestrutura para equilibrar o setor.

+ Fique por dentro de tudo o que acontece no Transporte e na Logística pelo Facebook

COMMENTS