Ford quer desenvolver “carro inteligente”

Em parceria com outras empresas, investimentos estão direcionados para eletrônica avançada, criação de sistemas propulsores, assistência ao motorista e proteção de pedestres

Projeto de lei quer obrigar carro reserva em caso de atraso no conserto
IPVA Pernambuco 2014
Hyundai anuncia construção de centro de pesquisa e desenvolvimento em Piracicaba (SP)

ford-carros-fusion

A montadora Ford está buscando um método para desenvolver o chamado “carro inteligente” utilizando laboratórios próprios de pesquisa e parcerias com empresas de setores envolvidos com a proposta.

Os investimentos estão direcionados para a eletrônica avançada e a criação de sistemas propulsores, além de assistência ao motorista e proteção de pedestres.

“Estamos trabalhando em inovações para moldar o futuro da mobilidade”, afirmou David Borges, especialista em Carros Conectados da Ford na América do Sul, durante seminário de tendências promovido pela revista Quatro Rodas, em São Paulo. “A conectividade é hoje definida com uma estratégia comercial que avança a cada dia para tornar essa tecnologia acessível a todos os consumidores”.

Atualmente, a Ford conta com dois centros de pesquisa avançada no mundo, sendo uma em Palo Alto (Estados Unidos), e outro na cidade de Achen (Alemanha).

“O objetivo é antecipar os desejos e necessidades dos consumidores nas áreas de conectividade, mobilidade e veículos autônomos. Mais que isso, estamos pesquisando para tornar essas novas tecnologias acessíveis para todos os clientes e não apenas para o segmento de luxo. Atualmente, por exemplo, o sistema de conectividade SYNC está disponível também na linha de carros de entrada da Ford, com o Ka”, ressalta Borges. “O avanço da eletrônica em todos os sistemas dos veículos – como acelerador, direção, freios, assistência e entretenimento -, integrado com o desenvolvimento de redes confiáveis de comunicação dos carros com a infraestrutura viária e a nuvem, é o caminho que tem de ser percorrido para viabilizar os carros autônomos no mercado”.

COMMENTS