Congestionamentos fazem Brasil perder cerca de R$ 111 bi por ano

Dados são do Firjan; região metropolitana do Rio de Janeiro é onde mais se perde tempo para se deslocar

ZF atinge produção de um milhão de transmissões automáticas de 8 marchas
Produção de caminhões recua, mas ainda sobe 12,8% até setembro
Mercado de carros importados no Brasil recua 40,6% em janeiro

transito-rio-janeiro

Um levantamento nacional sobre mobilidade urbana divulgado no dia 9/9, pelo Firjan (Federação das Indústrias do Rio de Janeiro), aponta que a falta de fluidez nas cidades do Brasil causa prejuízos anuais de R$ 111 bilhões à economia nacional.

A cifra corresponde, segundo os especialistas, à produção sacrificada, ou seja, recursos perdidos ou que deixaram de ser gerados pelo tempo perdido nos congestionamentos das metrópoles brasileiras. Não foram considerados custos como saúde pública, por exemplo, por causa de acidentes e poluição. Por outro lado, há gastos diretos como combustível queimado por causa do trânsito lento, maiores recursos necessários para manutenção de vias e a necessidade de mais veículos de serviços como ônibus e caminhões para realizarem uma quantidade cada vez menor de viagens cada.

A pesquisa analisou os ir e vir e os dados econômicos de 601 municípios brasileiros que formam 37 regiões metropolitanas no País em 2012. Os tempos de deslocamentos contabilizados sempre foram os superiores a 30 minutos. De acordo com o levantamento, 17 milhões de pessoas gastam em média 114 minutos nos deslocamentos diários.

A região metropolitana do Rio de Janeiro é onde mais se perde tempo para se deslocar no Brasil. São 141 minutos por dia, sendo que por causa dos congestionamentos, deixam de ser produzidos anualmente R$ 19 bilhões.

O Vale do Aço, em Minas Gerais, é a região pesquisada com menor tempo de deslocamento diário: 102 minutos. Já o Sudoeste Maranhense é onde as perdas com os congestionamentos são menores, chegando a R$ 36,7 milhões.

O estudo também aponta que com esses R$ 111 bilhões poderiam ser construídos todos os anos mais de 100 quilômetros de redes de metrô ou ainda fazer dois mil e 500 quilômetros de corredores de ônibus com os mais avançados conceitos de veículos, operação e gerenciamento de frota.

tabela-transito

COMMENTS