Polícia Rodoviária Federal lança serviço de declaração eletrônica de acidente de trânsito

Ferramenta e-DAT substitui o boletim elaborado pessoalmente pelos policiais da PRF

Artesp lista dez pontos de rodovias paulistas sujeitos a neblina intensa
Índice de acidentes em estradas paulistas tem queda no feriado de 12 de outubro
Método “canguru” de elevação do eixo traseiro pode trazer perigo para as estradas

policia-rodoviaria-federal-

A PRF (Polícia Rodoviária Federal) lançou nesta terça-feira (30/6) a e-DAT (Declaração Eletrônica de Acidente de Trânsito).

O serviço permite que uma pessoa que tenha se envolvido em algum acidente sem vítimas faça uma ocorrência pela internet. Declaração substitui o boletim elaborado pessoalmente pelos policiais rodoviários federais.

A ferramenta vale para acidentes que ocorram nas rodovias federais sob a responsabilidade da PRF e podem ser feitas em até 60 dias depois do ocorrido.
A ferramenta pode ser utilizada somente em casos de acidentes que envolvam até cinco veículos, que não tenham nenhuma pessoa ferida ou morta e que não tenham provocado danos ao meio ambiente ou ao patrimônio público.

“Hoje, os pequenos acidentes correspondem a 50% dos atendimentos realizados pela Polícia Rodoviária Federal. O que a PRF vislumbra é que com essa disponibilidade policial, consiga ajudar a diminuir a letalidade dos acidentes mais graves. Já para o usuário, o sistema garante mais celeridade e comodidade”, comentou Diego Brandão, assessor de comunicação da PRF.

O sistema já está disponível por meio do endereço eletrônico www.prf.gov.br/acidente.

Para fazer uma e-DAT, a PRF orienta que é preciso anotar o local (BR, quilômetro e sentido), a data e o horário da ocorrência. Fotografar os veículos e os danos, coletar os dados de todos os envolvidos e listar eventuais testemunhas. Para fazer uma declaração on-line é obrigatório que o usuário tenha um e-mail para a comunicação entre o órgão e o cidadão.

A declaração eletrônica é um documento reconhecido pelos demais órgãos e pelas seguradoras de veículos.

Com informações da CNT

COMMENTS