Recurso liberado para financiamento de veículos em abril cai 10,6%

Recurso liberado para financiamento de veículos em abril cai 10,6%

Primeiro quadrimestre do ano foi encerrado com R$ 30,7 bilhões, um decréscimo de 8,9% em relação ao mesmo período em 2014

Fabricação de caminhões despenca 75% em janeiro, mas vendas crescem 6%
Artesp lista dez pontos de rodovias paulistas sujeitos a neblina intensa
Comissão aprova proposta que permite que motorista dirija por seis horas

news-industria-08-04

De acordo com dados divulgados pela ANEF (Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras), o total de recursos liberados para financiamento de veículos em abril somou R$ 7,3 bilhões, queda de 10,6% em relação a março e de 14,3% em comparação a abril do ano passado.

Com o resultado, o primeiro quadrimestre do ano foi encerrado com R$ 30,7 bilhões, um decréscimo de 8,9% em relação ao mesmo período em 2014, quando foram concedidos R$ 33,6 bilhões.

“É difícil prever até quando irá essa fase de ajuste e retração econômica, que afeta consideravelmente a indústria automobilística. Só saberemos a dimensão mais completa da crise econômica quando forem estabilizadas a taxa de desemprego e a renda média real dos brasileiros. Há setores que estão passando por um momento positivo, como o agronegócio com as exportações, mas o automobilístico sofre mais por oferecer bens de maior valor agregado, afetando indivíduos e empresas. Por isso, somos muito atingidos em tempos de crise”, afirma Décio Carbonari, presidente da ANEF.

O saldo do crédito para aquisição de veículos pelas pessoas físicas e jurídicas corresponde a 3,6% do PIB contra 4,1% no mesmo período do ano anterior, um decréscimo de 0,5%, passando a representar 6,6% do total do crédito do Sistema Financeiro Nacional e 12,9% do total das operações de crédito – recursos livres. O saldo do crédito do SFN ficou em R$ 3.061 bilhões, um acréscimo de 10,5% em doze meses.

A soma dos saldos das carteiras de veículos é de R$ 203 bilhões, o que representa retração de 1,1% no mês e de 7,6% em doze meses. O saldo de financiamentos CDC somou R$ 195,6 bilhões, queda de 1% no mês e de 6,1% em doze meses. O saldo de leasing ficou em R$ 7,5 bilhões, decréscimo de 2,6% em relação ao mês anterior e de 34,8% em um ano.

As taxas oferecidas pelos bancos das montadoras tiveram leve acréscimo de 0,2%. em relação ao mês anterior, 1,54% ao mês e 20,12% ao ano. Já os bancos de varejo ofereceram taxas de 1,85% ao mês. e 24,6% ao ano. para pessoa física no CDC. Para pessoa jurídica, as taxas foram de 1,60% ao mês. e 21% ao ano.

Os planos máximos disponibilizados pelos bancos aos consumidores foram mantidos em 60 meses. O prazo médio das concessões indica o prazo a decorrer desde a contratação até o vencimento da última prestação, que em abril de 2015 foi de 41,5 meses. No mesmo período de 2014 foram 41,2 meses.

A inadimplência continua em níveis baixos, 5,3% para pessoa física, representando leve aumento de 0,1% no mês e queda de 0,3% em doze meses.

No financiamento CDC foi de 3,9%, permanecendo estável no mês, e recuo de 1,1% em doze meses. Para pessoa jurídica o índice também é de 3,9%, acréscimo 0,2% no mês e 0,6% em doze meses.

Com informações da ANEF

COMMENTS