Número de adultos que admitem beber e dirigir nas capitais do País cai e atinge 5,9%

Número de adultos que admitem beber e dirigir nas capitais do País cai e atinge 5,9%

Percentual indica uma queda em relação a 2012, ano do endurecimento da Lei Seca, quando 7% dos entrevistados referiram cometer a infração

Projeto de Lei restitui índice máximo de álcool permitido para dirigir
Quantidade de etanol na gasolina deve aumentar para 25% até abril
Lei Seca terá limite de álcool mais rígido a partir de hoje (29)

news-roubo-de-cargas-04-05

Segundo dados da pesquisa Vigitel 2014 (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico), após o endurecimento da Lei Seca, em 2012, o percentual de adultos que admitem beber e dirigir nas capitais do País caiu 16%.

No ano passado, 5,9% dos brasileiros dizem ainda manter o hábito de conduzir veículos motorizados após o consumo de qualquer quantidade de álcool. O percentual indica uma queda em relação a 2012, quando 7% dos entrevistados referiram cometer a infração.

De acordo com a pesquisa, os homens (10,7%) assumem mais os riscos da combinação álcool e direção do que as mulheres (1,7%).

Vitória (ES), Rio de Janeiro (RJ) e Recife (PE) se destacam como as capitais com o menor percentual de entrevistados que referiu dirigir depois de beber (3%), enquanto Florianópolis (SC) e Palmas (TO) tiveram a maior proporção (14%) e (11%), respectivamente.

A pesquisa é um levantamento feito em 26 capitais brasileiras e no Distrito Federal, divulgado anualmente. Os dados trazem um diagnóstico da saúde do brasileiro a partir de questionamentos sobre os hábitos da população.

Pela primeira vez em dez anos houve redução no número de mortos no trânsito no País. Entre 2012 e 2013, o número de óbitos por vítimas de acidentes de trânsito passou de 44.812 para 42.266 – queda de 5,7%. Com isso, a taxa de mortalidade também diminuiu 6,5% em um ano, passando de 22,5 mortos por 100 mil habitantes em 2012 para 21, em 2013.

COMMENTS