Artesp alerta para a temporada de neblina nas rodovias paulistas

Agência paulista divulgou lista dos pontos críticos e dá algumas dicas de segurança para os motoristas que utilizarem as rodovias no Estado de São Paulo

Carga especial paga R$ 260 mil de pedágio para cruzar SP
Rodovias paulistas sob concessão recolhem 67 toneladas de lixo por dia
Artesp lista dez pontos de rodovias paulistas sujeitos a neblina intensa

neblina-rodovias-paulistas

A Artesp, Agência de Transporte do Estado de São Paulo, alerta a todos os motoristas que utilizam as rodovias paulistas para o início da temporada de neblina nas estradas, devido à chegada do inverno.

Segundo a Agência, de maio a agosto, o aumento da neblina causa perda na visibilidade e demanda atenção redobrada dos motoristas. A redução de visibilidade provocada pela névoa do fenômeno climático aumenta o risco de colisões traseiras (que podem se transformar em engarrafamentos), de choques contra obstáculos fora da pista (muretas de proteção, postes de sinalização, guard-rails, etc.) e atropelamentos.

No Sistema Anchieta-Imigrantes, onde a ocorrência desse fenômeno é mais frequente, a concessionária Ecovias e a Polícia Militar Rodoviária realizam a Operação Comboio, ação na qual os carros que seguem sentido litoral são represados nas praças de pedágio (km 31 da Anchieta e km 32 da Imigrantes) sempre que a visibilidade dos motoristas fica abaixo de 100 metros. Os veículos saem escoltados por viaturas da Polícia Rodoviária e da concessionária a uma velocidade máxima de 40 km/h como medida de segurança.

Pontos críticos. Em geral, trechos de serra e baixadas (vales) estão mais sujeitos à ocorrência de neblina. Os períodos de maior incidência são o começo da manhã e a madrugada. A ARTESP listou os pontos onde é mais comum haver neblina nesta época do ano nas rodovias sob concessão, porém o motorista deve estar atento em todas as viagens, uma vez que o fenômeno também é observado em outros trechos rodoviários.

Veja os pontos onde a ocorrência de neblina é frequente na malha estadual concedida:

Grande São Paulo, Baixada Santista e Vale do Paraíba

Interligação Planalto do Sistema Anchieta-Imigrantes (SP-40), do km 0 ao km 8, São Bernardo do Campo;
Rodovia dos Imigrantes (SP-160), do km 32 ao 47, São Bernardo do Campo;
Sistema Anhanguera-Bandeirantes (SP-330 e SP-348) a incidência de neblina ocorre geralmente nos trechos entre Perus e Caieiras (do km 25 ao km 42);
Rodoanel (SP-21), entre os quilômetros 0 e 7 e do km 24 ao km 26, São Paulo e Osasco/Cotia;
Rodoanel (SP-21), na altura do km 76, São Bernardo do Campo;
Rodoanel Trecho Sul (SP-21): do km 47 ao km 50 e do km 62 ao km 86, na região das Represas Guarapiranga e Billings, passando pelos municípios de São Paulo, São Bernardo do Campo, Santo André, Ribeirão Pires e Mauá e pela interligação com as Rodovias dos Imigrantes (km70) e Anchieta (km75);
Rodovia Anchieta (SP-150), do km 32 ao km 45, regiões de São Bernardo e Cubatão;
Sistema Ayrton Senna-Carvalho Pinto (SP-70), ocorre geralmente entre o km 45 e o km 49; do km 55 ao km 60; do km 65 ao km 70; do km 73 ao km 77 e do km 80 ao km 84 – entre Mogi das Cruzes e Jacareí.
Rodovia dos Tamoios (SP-99), no trecho de serra entre o km 68 e o km 73, mas também há ocorrência na altura dos quilômetros 17, 30, 50 e 62, Região do Vale do Paraíba.

Região de Campinas

Rodovia D. Pedro I (SP-65), do km 23 ao km 51, Igaratá e Nazaré Paulista;
Sistema Anhanguera-Bandeirantes (SP 330/SP 348), do km 46 ao km 68, do 120 ao 132, entre o 138 e o 171 – Jundiaí, Americana e Limeira;
Rodovia dos Bandeirantes (SP 348), do km 86 ao km 95, Campinas;
Rodovia Anhanguera (SP 330), do km 100 ao km 103, Campinas;
Rodovia Adalberto Panzan (SPI-102), entre os km 0 e 7, Campinas;
Rodovia Monsenhor Clodoaldo de Paiva (SP-147), do km 50 ao km 52, região de Mogi Mirim;
Rodovia Professor Zeferino Vaz (SP-332), do km 130 ao km 140, Paulínia e Cosmópolis;
Engenheiro Constâncio Cintra (SP-360), do km 63 ao km 81, Jundiaí e Itatiba;
Romildo Prado (SP-63), do km 0 ao km 15, Itatiba e Louveira.

Região de Sorocaba

Rodovia Raposo Tavares (SP-270), km 48 e km 52, região de São Roque;
Rodovia Castelo Branco (SP-280), do km 50 ao km 58, regiões de São Roque e de Araçariguama;
Rodovia Santos Dumont (SP-75), km 33, região de Itu;
Rodovia Dom Gabriel Paulino Bueno Couto (SP-300), km 109/110, região de Itu;
Rodovia Marechal Rondon (SP-300), do KM 202 ao km 225 e do km 235 ao km 246, região de Botucatu.

Regiões Central, Franca e de Ribeirão Preto

Rodovia Anhanguera (SP-330), do km 227 ao km 235, região de Santa Rita do Passa Quatro e Porto Ferreira;
Rod. Washington Luís (SP-310), do km 191 ao km227, região de São Carlos;
Antônio Machado de Sant´Ana (SP-255), do km 46 ao km 49, entre Guatapará e Rincão;
Rodovia Anhanguera (SP-330), do km 247 ao km 250 e entre o km 299 e o km 301, trechos de Santa Rita do Passa Quatro e Cravinhos;
Rodovia Cândido Portinari (SP-334), do km 335 ao km 337 e do km 370 ao km 373, Brodowski e Batatais/Restinga.

Regiões de Bauru, Marília e Presidente Prudente

Rodovia João Baptista Cabral Rennó (SP-225), nos quilômetros 261 – Piratininga, 288 – Espírito Santo do Turvo; 290 – Santa Cruz do Rio Pardo;
Rodovia Orlando Quagliato (SP-327), nos quilômetros 9, 17 (Santa Cruz do Rio Pardo) e 30 (Ourinhos);
Rodovia Raposo Tavares (SP-270), nos quilômetros 408, 419, 426, 437,447, 471,481, 497 – entre Ibirarema e Rancharia; nos km 621 e km 635 – Presidente Venceslau/Cauiá.

Dicas para tornar a direção mais segura na neblina:

1. Reduza gradualmente a velocidade ao perceber os primeiros sinais de neblina;
2. Mantenha uma distância segura do veículo à frente;
3. Acenda os faróis baixos – tanto de dia quanto à noite. Não é recomendado manter os faróis apagados, mesmo de dia. Já o farol alto, independente do horário, dificulta a visibilidade pela
grande dispersão de luz emitida sob neblina;
4. Não pare o veículo no acostamento;
5. Nunca pare na pista;
6. Não ligue o pisca-alerta com o veículo em movimento;
7. Use a pintura de faixa da pista como referência do caminho a seguir;
8. Fique atento a sinais sonoros externos que possam indicar uma situação atípica à frente como buzinas, sirenes e som de colisão;
9. Deixe a janela aberta, ainda que parcialmente, para ouvir eventuais sinais sonoros;
10. Evite uso de aparelhos que possam dispersar a atenção;
11. Deixe o para brisa limpo;
12. Mantenha o vidro aberto ou ligue a ventilação dentro do carro para não embaçar os vidros;
13. Caso julgue não ter condições de visibilidade para seguir viagem, pare somente em locais seguros como postos de abastecimento.

COMMENTS