Articulistas

Direitos dos passageiros em caso de atrasos ou cancelamentos de voos

Neste artigo, a advogada da Área de Compliance do Vigna Advogados Associados, Drª Monique de Cássia Silva Aguina, traz uma análise sobre os direitos dos passageiros em relação a problemas com seus voos

07/1/2015

6h22

Redação

Entre em contato

A falta de grandes investimentos durante décadas na infraestrutura dos aeroportos brasileiros e as deficiências operacionais das companhias aéreas complicam cada vez mais a vida dos passageiros que optam por usar esse meio de transporte no Brasil. Atrasos e cancelamentos de voos ocorrem constantemente e, muitas vezes, o usuário desconhece seus direitos que englobam, por exemplo, alimentação, comunicação e, em alguns casos, acomodação ao passageiro.

Em casos de atraso, cancelamento de voo e preterição de embarque, o passageiro que estiver apresentado para o embarque tem direito à assistência, como comunicação, alimentação e acomodação. Esses tipos de medidas têm como objetivo diminuir o desconforto do consumidor no tempo que espera o seu voo, atendendo às suas necessidades imediatas. O tipo de assistência que será oferecida ao passageiro obedecerá uma ordem de gravidade, que tem como parâmetro o tempo de espera, contado a partir do momento em que houve o atraso, cancelamento ou preterição de embarque.

Assim, se tivermos diante de uma espera de uma hora, teremos direito à comunicação, como acesso à Internet e chamadas telefônicas. A partir de duas horas, teremos direito a alimentação. Após quatro horas, será oferecida acomodação ou hospedagem e transporte do aeroporto ao local de acomodação. Porém, se o usuário estiver no seu local de domicílio, a empresa poderá oferecer apenas o transporte para sua residência e desta para o aeroporto. Havendo um atraso superior a quatro horas ou caso a empresa já tenha a estimativa de que o voo excederá esse tempo, houver cancelamento ou preterição de embarque, a empresa aérea deverá oferecer ao passageiro, além da assistência material e das opções de reacomodação, a opção de reembolso dos valores gastos com a passagem. A assistência material deverá ser oferecida também aos passageiros que já estiverem a bordo da aeronave, em solo, no que for cabível.

Nos casos em que o passageiro optar pelo reembolso dos valores da passagem, a empresa deverá fazê-lo de acordo com a forma de pagamento utilizada na compra da passagem. Assim, a devolução dos valores já pagos totalmente e recebidos pela empresa aérea deverá ser imediata, em dinheiro ou por meio de crédito em conta bancária. Se a passagem aérea foi financiada no cartão de crédito e tem parcelas a vencer, o reembolso obedecerá às regras da administradora do cartão. Ainda, se for do interesse do cliente, a empresa poderá oferecer, em vez de reembolso, créditos em programas de milhagem. Em todos os casos as providências para o reembolso devem ser imediatas.

Nos casos em que o aeroporto fica fechado, quando condições meteorológicas ou operacionais naquele local não são adequadas para pousos e decolagens, os direitos à assistência material, reacomodação e reembolso deverão, da mesma maneira, ser de responsabilidade das companhias.

Infelizmente, mesmo o usuário tendo todos esses direitos e as empresas estando sujeitas a multas, o cumprimento dessas obrigações por algumas companhias é de grande morosidade, sendo práticas comuns o uso de entraves burocráticos para o requerimento desses direitos, fazendo com que alguns passageiros desistam do seu direito pela dificuldade de pleiteá-lo.

Drª Monique de Cássia Silva Aguinamaguina@vigna.adv.br
Advogada da Área Compliance – Filial São Paulo do Vigna Advogados Associados
www.vigna.adv.br

  • tv transporta brasil

    TVTRANSPORTABRASIL
  • Publicidade

  • Articulistas

    Brasil necessita de soluções e pensamento estratégico para alavancar setor de transporte logístico

    Edésio de Campos Horbylon Neto é diretor superintendente da 3T Systems, do Grupo José Alves. Graduado em Direito pela Faculdade Anhanguera de Ciências Humanas, possui especialização MBA em Estratégias de Gestão em Marketing pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. O executivo acumula passagem na Autotrac, Texaco do Brasil e Xerox do Brasil.

    Fraude no Controle de Emissões de Veículos Diesel cresce no País

    Artigo exclusivo do diretor da AFEEVAS, Associação dos Fabricantes de Equipamentos de Controle de Emissões de Poluentes da América do Sul, para o Portal Transporta Brasil, alerta para o problema da pirataria para driblar o uso do Arla 32

  • Publicidade

  • Publicidade

  • Bolsa de Valores – ADVFN

  • Redes Sociais

    Facebook