Biocombustível a base de tabaco será testado na aviação

Empresa aérea sul africana South African Airways irá iniciar os testes com o novo combustível juntamente com a Boeing ainda este ano

Pluna registra recorde de passageiros em um só dia de operações
DHL adquire mais três Boeing 777
Aeroporto de Porto Velho (RO) recebe licenciamento ambiental para suas obras

tabaco-africa-aviaoes

A SAA (South African Airways) e a Boeing anunciaram que em breve haverá a primeira safra de uma espécie de tabaco que será utilizada para a produção de biocombustível sustentável para a aviação. A parceria entre as empresas, em conjunto com a SkyNRG e a Sunchem AS, renderá uma temporada de testes da nova alternativa de combustão, que pode ocorrer ainda em 2015.

Oficialmente denominado Project Solaris, o trabalho será voltado para o desenvolvimento de uma cadeia de suprimentos de biocombustível para aviação que usa uma planta de tabaco livre de nicotina e organismos geneticamente modificados chamada Solaris. Representantes das empresas e da indústria visitaram as fazendas em Marble Hall, na província de Limpopo (África do Sul), onde 50 hectares de Solaris foram plantados. A safra de testes será colhida pela primeira vez em agora em dezembro.

“SAA continua seu trabalho para ser a companhia aérea mais ecologicamente sustentável do mundo e mantém seu compromisso para uma maneira melhor de conduzir os negócios”, disse Ian Cruickshank, especialista da empresa em assuntos ambientais.

O plano é escalonar o uso de biocombustíveis em voos para 20 milhões de litros em 2017, antes de alcançar 400 milhões em 2023.

A alternativa também diminuiria os custos com combustíveis da SAA, que contribuíram para entre 39% e 41% dos custos operacionais totais da empresa.

O produto-final das plantas Solaris pode reduzir o ciclo das emissões de carbono de 50% a 75%, garantindo o cumprimento das metas de sustentabilidade da RSB (Roundtable on Sustainable Biomaterials).

COMMENTS