Mercedes-Benz trabalha para reconquistar clientes do agronegócio em MT

Mercedes-Benz trabalha para reconquistar clientes do agronegócio em MT

Mudanças de estratégia no relacionamento com a rede, chegada de Roberto Leoncini para capitanear as vendas e o marketing e readequação de produtos para o nicho de transporte do agronegócio na região produtora de soja são algumas das novidades da marca para retomar sua posição no mercado de caminhões extrapesados

Mercedes-Benz inclui freio a tambor como item de série para extrapesados Axor e Actros
Fidens Engenharia compra 52 Actros da Mercedes-Benz
Cuiabá ganha nova concessionária Rodobens Mercedes-Benz

interna-mb-rondonopolis1

A Mercedes-Benz está trabalhando fortemente para reconquistar mercados que antes eram seus domínios e buscar o reposicionamento da marca frente aos clientes, com os olhos fixos na expansão de seus mercados. A vinda de Roberto Leoncini, ex-Scania, para a vice-presidência de Vendas e Marketing da marca alemã, um executivo de resultados no segmento de extrapesados, tem um significado forte nessa nova fase.

O primeiro grande movimento da Mercedes para reconquistar o mercado do agronegócio no Mato Grosso é ouvir a voz das estradas. “Já fomos líderes de mercado aqui em Rondonópolis, no Mato Grosso, e eu fui um grande vilão para tomar essa liderança da marca, quando eu estava na outra empresa. Agora, tenho que tomar esta liderança de volta. E como se faz isso? Baixando a cabeça, vindo para cá, escutando os motoristas e os clientes para trabalhar essa resistência que eles criaram com o antigo Axor. Agora, com o Axor Econfort, temos um produto completo que está sendo demonstrado para os transportadores. Este caminhão está muito bem de consumo, mesmo em relação às duas marcas que dominam este mercado, e agora estamos prontos para entregar o produto certo”, diz Leoncini.

Além das estratégias de venda e relacionamento com os clientes para aumentar a participação nos extrapesados na região, a Mercedes também repaginou sua linha de caminhões e traz, pela primeira vez, os estradeiros Axtor e Actros com freios a tambor, solução que vem para aguentar as condições severas das operações, em estradas de terra e de asfalto, graças à poeira, que acaba prejudicando a performance e a vida útil dos freios. “Nós escutamos os transportadores e agora estamos dando o retorno para eles, principalmente em relação a freios e conforto de cabines dos caminhões. Ao andar nos novos caminhões, percebem-se as diferenças, os produtos Mercedes para o mercado de extrapesados estão significativamente diferentes em relação ao conforto dos motoristas. Tem alguns paradigmas que estamos quebrando agora, como por exemplo os freios a tambor. Os freios a disco ainda vão acontecer no Brasil, são uma tendência mundial, e a persistência da Mercedes nos freios a disco foi maior do que a capacidade do governo brasileiro em implementar uma infraestrutura adequada para o transporte rodoviário. A Mercedes, agora, dá um passo atrás com o freio a tambor para atender ao mercado, principalmente nas aplicações de uso misto, como é o agronegócio, em que se roda muito em estradas de terra e também em asfalto. Mostramos que temos a tecnologia, e agora estamos vindo com o freio a tambor, preparados para voltar com o freio a disco quando precisarmos”, explica o vice-presidente.

interna-mb-rondonopolis

Segundo a Mercedes, os cavalos-mecânicos Axor e Actros são indicados para tracionar multicomposições, com destaque para configurações de semirreboques de 3 eixos convencionais e distanciados com PBTC (Peso Bruto Total Combinado) de 48,5 a 53 toneladas, bitrem com PBTC de 57 toneladas e bitrenzão/rodotrem com PBTC de 74 toneladas.

Entre as novidades do Axor ECONFORT destaca-se ainda o entreeixos mais curto, de 3.100 mm, para os cavalos-mecânicos Axor 2536, 2541 e 2544, todos na versão rodoviária 6×2. Esta solução, que já esta disponível na rede de concessionários da marca, amplia a capacidade de transporte em operações com semirreboques longos, como baú carga seca, baú frigorífico, sider e cegonheiro.

Confira a íntegra da entrevista do Portal Transporta Brasil com Roberto Leoncini

COMMENTS