Emissão de gases-estufa pela aviação civil no Brasil cresce 32% de 2005 a 2013

No mesmo período analisado pela ANAC, compostos nitrogenados que geram o ozônio, subiram 60%, e as de material particulado apresentaram um acréscimo de 58%

Azul celebra um ano de operações em Ilhéus (BA)
Boeing prevê demanda de mais de 38 mil aviões até 2035
Número de passageiros no transporte aéreo doméstico bate recorde em novembro de 2013

aviao-decolagem-cumbica

De acordo com um estudo preparado pela ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil), divulgado no dia 15/10, a emissão de gases tóxicos e de material particulado cresceu em um ritmo reduzido em relação ao movimento de aeronaves e passageiros entre o período de 2005 a 2013.

Enquanto o movimento de aeronaves subiu 75% nesse período, as emissões de monóxido de carbono subiram 32%. As emissões de NOx, compostos nitrogenados que geram o ozônio, subiram 60%, e as de material particulado apresentaram um acréscimo de 58%.

Para o gerente técnico de Análise Ambiental da agência, Alexandre Filizola, o desempenho registrado pelos aeroportos nacionais é resultado de uma frota de aviões moderna, com motores mais eficientes e menor consumo de combustível, além da ampliação no número de pontes de embarque.

Quanto mais tempo de embarque e desembarque, mais a aeronave emite poluentes, pois um motor auxiliar do avião permanece ligado nessas duas operações, mantendo o ar-condicionado e os demais sistemas de bordo. Já com as pontes, o tempo dessa fase cai.

A pesquisa se baseia em dados do Decea (Departamento de Controle do Trafego Aéreo) e calcula as emissões produzidas pelas aeronaves durante as fases de voo com altitude menor que 3 mil pés (mil metros), principalmente táxi, embarque e desembarque.

COMMENTS