Economia & Tributos

IPI deve ser cobrado sobre valor final do produto

Supremo Tribunal Federal entende que imposto seja cobrado já com eventuais descontos que tenham sido oferecidos ao consumidor

09/9/2014

11h30

Redação

Entre em contato

interna-ipi-importados

O Supremo Tribunal Federal decidiu recentemente, por unanimidade, que o IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) deve incidir sobre o preço final dos produtos vendidos, já com eventuais descontos que tenham sido oferecidos ao consumidor. A intenção da União com o recurso era aumentar a arrecadação atual, cobrando IPI sobre o preço cheio dos produtos, defendendo incluir na base de cálculo os descontos incondicionados, concedidos pelo comércio ao consumidor para facilitar a venda dos produtos.

Hoje, a União cobra o imposto do preço de tabela, e algumas empresas tentavam alterar a forma da cobrança na Justiça, obtendo decisões variadas dos tribunais regionais. O entendimento do STF poderá recair, por exemplo, sobre a venda de veículos.

Os carros possuem um preço de tabela nas concessionárias, mas normalmente são oferecidos descontos ao consumidor na hora da compra. Na nota fiscal, aparece o preço de tabela e o desconto concedido.

Para os ministros, o imposto deve ser cobrado sobre o valor final da transação e não o preço da tabela, o que possibilita a redução do montante arrecadado pela União.

Além de reduzir a arrecadação da União com IPI, a decisão do Supremo poderá vir a diminuir o preço dos produtos para o consumidor, já que o desconto concedido pelas lojas não será tributado.

  • CONTEÚDO DE REFERÊNCIA
  • Publicidade

  • Articulistas

    Brasil necessita de soluções e pensamento estratégico para alavancar setor de transporte logístico

    Edésio de Campos Horbylon Neto é diretor superintendente da 3T Systems, do Grupo José Alves. Graduado em Direito pela Faculdade Anhanguera de Ciências Humanas, possui especialização MBA em Estratégias de Gestão em Marketing pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. O executivo acumula passagem na Autotrac, Texaco do Brasil e Xerox do Brasil.

    Fraude no Controle de Emissões de Veículos Diesel cresce no País

    Artigo exclusivo do diretor da AFEEVAS, Associação dos Fabricantes de Equipamentos de Controle de Emissões de Poluentes da América do Sul, para o Portal Transporta Brasil, alerta para o problema da pirataria para driblar o uso do Arla 32

  • Publicidade

  • Publicidade

  • Bolsa de Valores – ADVFN

  • Redes Sociais

    Facebook