Correios criam taxa de R$ 12 para a retirada de produtos importados

Associação Brasileira de Defesa do Consumidor pede o cancelamento da nova cobrança por considerá-la abusiva

Serviço de contrato de manutenção Volkstotal completa 10 anos
Scania oferece garantia de dois anos para veículos da linha 2015
Pacer Logística inaugura Centro de Distribuição em Cajamar (SP)

correios-terceirização-func

Além do imposto sobre a mercadoria e sobre o frete, o consumidor de produtos importados poderá arcar com mais custo. Os Correios criaram nova taxa adicional de R$ 12 para a retirada de produtos comprados no exterior. A cobrança, válida desde o mês de junho só é percebida quando o cliente recebe em casa o aviso de que o item pode ser retirado na agência.

No comunicado emitido, consta o valor a ser pago como imposto (que geralmente dobra o valor pago pelo produto), além dos R$ 12. No caso das compras não tributadas, os R$ 12 não são cobrados, e a entrega é feita diretamente na casa do comprador.

Segundo os Correios, a taxa é necessária para cobrir os custos das atividades postais realizadas na nacionalização das encomendas internacionais. Já a Proteste (Associação Brasileira de Defesa do Consumidor), que enviou ofício aos Correios pedindo o cancelamento imediato da cobrança por considerá-la abusiva.

Na avaliação da associação essa cobrança está em desacordo com o Código de Defesa do Consumidor, na medida em que eleva sem justa causa o preço do serviço sem qualquer contrapartida para o consumidor. A custódia das encomendas até a sua entrega final é um serviço já pago pelo remetente, e o recolhimento do imposto de importação e o seu repasse à União é prestado à Receita Federal.

Nas aquisições internacionais pela internet, o consumidor paga pelo produto solicitado e também o frete, que depende do tipo, quantidade ou peso do objeto. Chegando ao Brasil, o pacote fica armazenado nos portos ou aeroportos até ser processado e encaminhado à Receita Federal.

A inspeção é feita pela Receita Federal para determinar se o produto é isento de tributos e pode ser entregue ao destinatário sem custos. Caso a Receita entenda que o produto deva ser tributado, ele é encaminhado para a central dos Correios ou de empresas privadas, conforme a preferência do consumidor, que avisa o destinatário sobre a chegada do pacote. O item só pode ser retirado mediante pagamento dos impostos.

Além do valor já pago pelo frete, o cliente precisa desembolsar quantia correspondente ao Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguros, que incide sobre o cartão de crédito ou débito, o imposto de importação de 60%, aplicado também sobre o valor do frete e até mesmo o ICMS, dependendo do estado em que estiver.

COMMENTS