Brasil bate recorde de pneus reciclados no 1º semestre do ano

Brasil bate recorde de pneus reciclados no 1º semestre do ano

Aproximadamente 223 mil toneladas foram processadas, o que corresponde a algo em torno de 45 milhões de pneus de carros de passeio

Balança comercial do setor de pneus termina 2014 com déficit de US$ 144,9 milhões
Indústria brasileira de pneus cresce 2%, mas vendas caem 0,6%
Produção de pneus no Brasil mantém estabilidade, mas vendas caem 18,5%

pneus-caminhoes-homeA Anip (Associação Nacional da Indústria de Pneumáticos) divulgou recentemente que coletou e encaminhou para a reciclagem mais de 223 mil toneladas de pneus inservíveis no primeiro semestre. Resultado, que corresponde a algo em torno de 45 milhões de pneus de carros de passeio, é considerado um recorde para a entidade.

A quantidade de pneus sem condições de reforma foi recolhida pelos setenta caminhões que estão a serviço da Reciclanip no Brasil, entidade criada em 2007 pela Anip. Essa entidade tem hoje 834 pontos de coleta distribuídos em todos os estados brasileiros e o Distrito Federal. Para ter ideia do crescimento do setor de reciclagem de pneus, em 2004 esses pontos de coleta eram 85. Com isso, a indústria de pneus vem obtendo êxito em se adequar à Política Nacional de Resíduos Sólidos, que exige que os fabricantes de todos os setores sejam responsáveis pelo destino final de seus produtos depois de consumidos.

O processo de recolhimento e reciclagem de pneus no Brasil começou em 1999 pelos próprios fabricantes, a partir do Programa Nacional de Coleta e Destinação de Pneus Inservíveis. Desde então, quase três milhões de toneladas do produto já foram coletadas e recicladas. Quando inutilizados, os pneus são encaminhados para empresas que fazem a separação da borracha, tiras de aço e tecido que os compõem. A borracha é moída e se transforma em tapetes de automóveis, solas de sapato, pisos industriais e para quadras esportivas, materiais de vedação e até dutos pluviais. Muitas vezes é adicionada ao asfalto para recapeamento, ou também pode parar nos fornos das indústrias de cimento, por ser combustível.

COMMENTS