Apenas 9,7% dos 200 mil motoboys da cidade de São Paulo são registrados

Quantidade de motofretistas que atua na capital paulista representa 40% dos 500 mil espalhados pelo Estado

Novas regras para 1º habilitação passam a valer a partir de dezembro
Câmara dos Deputados analisa proposta que facilita acesso à CNH na categoria C
Funcionários do Detran/DF entram em greve por tempo indeterminado

motoboy

Segundo a pesquisa Mapa do Motofrete em São Paulo, desenvolvida pela Loggi, empresa especializada em logística urbana aplicada em entregas, 200 mil profissionais trabalham diariamente nas ruas da capital paulista. Desse total, apenas 9,7% são registrados.

A quantidade de motoboys que atua na cidade representa 40% dos 500 mil entregadores espalhados pelo Estado. Em todo o Brasil, a empresa estima uma realidade de aproximadamente 900 mil mensageiros.

Analisando o perfil do profissional, a Loggi aponta que 98% da frota paulista é composta por homens, sendo que 75% são pais de família. A maior faixa etária esta entre 24 e 45 anos, que representam 85%.

A maior utilização do serviço de motofrete em São Paulo está no transporte de documentos, como papéis, envelopes ou contratos, que representam 59% dos pedidos.

Entregas de alimentos (pizzarias, lanchonetes, restaurantes etc.) ficam em segundo lugar com 23%; enquanto entregas de compras correspondem aos 18% finais.

A respeito das solicitações realizadas, a Loggi calcula que uma corrida porta a porta entre dois pontos, em média, dura 27 minutos, considerando o centro expandido de São Paulo. O valor médio é de R$ 30, sendo que R$ 12 são revertidos ao mensageiros.

Ao todo, o ganho mensal deste profissional chega aproximadamente em R$ 1.950, 40% do faturado no mesmo período.

COMMENTS