Governo do Paraná inicia projeto visando aprimorar escoamento de madeira

Técnicos da Secretaria Estadual da Infraestrutura e Logística e do DER-PR analisarão rodovias do sul do Paraná, por onde passa a produção madeireira

DER proíbe circulação de veículos de carga na Pedro Taques, mas sinalização ainda não foi instalada
Rodovias de Minas Gerais recebem mais 26 radares
Governo paranaense descarta reajuste de pedágio

madeireiros-parana-rodovias

O governo do Estado do Paraná deu início aos estudos para aprimorar as rodovias municipais e estaduais por onde passa a produção madeireira. O projeto, que tem como parceiro a Apre (Associação Paranaense de Empresas de Base Florestal), faz parte da ampliação do programa Caminhos do Desenvolvimento, que também tem como objetivo melhorar o escoamento de cana-de-açúcar.

Técnicos da Secretaria Estadual da Infraestrutura e Logística e do DER-PR (Departamento de Estradas de Rodagem) percorrerão o cinturão sul do Paraná, para coletar informações de campo.

“Vamos diminuir o tráfego de grandes caminhões nas rodovias movimentadas e dentro dos municípios, criando rotas alternativas para a produção, como estamos fazendo no setor sucroalcooleiro. Esse projeto também vai deixar o Paraná mais competitivo”, disse o secretário estadual de Infraestrutura, José Richa Filho.

A primeira etapa do estudo, concluída no dia 6/9, levantou informações de 11 empresas do setor agroflorestal, em Irati, Inácio Martins, Rio Azul, Mallet, União da Vitória, Palmas, Bituruna e General Carneiro.

Técnicos do DER e da Apre visitaram as empresas, que concentram a maior produção agroflorestal do Estado e percorreram alguns dos caminhos da produção.

O objetivo da primeira etapa é executar um projeto-piloto, que contemplará os oito municípios do Sul do Estado e que ficará pronto até o fim do ano. O projeto agroflorestal completo será feito em 2014 e vai beneficiar quase 100 municípios paranaenses.

“Após o levantamento, poderemos ver quais caminhos alternativos temos que criar para melhorar o escoamento, além de identificarmos as obras que serão necessárias, como readequação e construção de pontes, contornos, trincheiras, trevos e alargamento e melhoramento de pistas”, explicou a coordenadora de planejamento da Secretaria de Infraestrutura, Josil Voidela Baptista.

Já a Apre ficou responsável por identificar as questões técnicas que envolvem os materiais produzidos, como o volume transportado, quais tipos de madeira são escoados, área explorada e os equipamentos utilizados. As empresas ficarão responsáveis pelos projetos de engenharia e os técnicos do DER irão acompanhar as visitas de campo dos técnicos da Apre, para verificar o que será necessário no decorrer do projeto.

Até o fim do ano será assinado o termo de cooperação que identificará as responsabilidades de cada setor, como orçamento, obras e projetos que farão parte do programa.

Com informações da Agência Paraná

COMMENTS