Conferência das cargas de fertilizantes no Porto de Paranaguá (PR) passa a ser informatizada

Constam cinco contêineres-escritórios na faixa do cais, que são utilizados pelos conferentes das cargas; procedimento de transferência de dados agora é eletrônico

Paranaguá e Antonina começam a operar com sistema eletrônico de pesagem
Porto de Paranaguá (PR) receberá R$ 394 milhões para realização de novas obras de dragagem
Appa lança edital sobre estudos para novo complexo turístico no Porto de Paranaguá

conferencia-paranagua-parana

A Appa (Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina) atualizou o sistema de conferência das cargas de fertilizantes ao retirar as inserções manuais de dados no sistema, que geravam erros por dificuldade de leitura. Foram instalados cinco contêineres-escritórios na faixa do cais, que são utilizados pelos conferentes das cargas.

“Eliminamos as falhas que atrasavam o processo. Nosso intuito é automatizar cada vez mais as operações no porto, com o objetivo de agilizar as operações e oferecer à sociedade paranaense e brasileira portos cada vez mais eficientes, seguros e ágeis”, afirma o superintendente dos portos, Luiz Henrique Dividino.

Todos os navios de fertilizantes que chegam ao porto têm suas cargas loteadas para diferentes destinos. É trabalho do conferente verificar o destino do lote, informar isso no sistema e encaminhar o caminhão para a balança. Antes, esta ação era toda manual. Agora, com a integração e informatização do sistema, a transferência de dados é eletrônica e ao chegar à balança o caminhão passa apenas pela aferição do peso, sem riscos de envio do lote para o destino errado em função de dificuldade de leitura do canhoto, que antes era manual.

O sistema foi desenvolvido pelo Departamento de Informática da Appa e pela Celepar (Companhia de Tecnologia da Informação e Comunicação do Paraná). Com isso, os terminais podem emitir as notas fiscais eletrônicas de cada caminhão, antes mesmo do veículo chegar ao destino.

“Podemos falar até em erro zero. Com a informatização, vamos evitar principalmente o retrabalho e erros como o envio de caminhões e carga para terminais diferentes ao que se destinam. Com isso, também damos agilidade ao processo e ganhamos em produtividade”, afirma Adilson Nunes de Queiroz, gerente de operações da Fortesolo, uma das empresas que importa fertilizantes pelo Porto de Paranaguá.

Com informações da Agência Paraná

COMMENTS