Empresários do Japão querem participar de concessões de portos e ferrovias do Brasil

Experiência japonesa na implantação linha férreas poderá ser usada na expansão da rede no País

Retrospectiva 2010
Usiminas Mecânica vai produzir vagões ferroviários em Congonhas (MG)
GE Transportation fabrica locomotiva 60% nacional

ferroeste

Empresários do Japão estão estudando a possibilidade de concorrer às concessões de logística, principalmente nas áreas de portos e ferrovias, que o governo deve lançar nos próximos anos. O assunto foi abordado na última terça-feira (20/8) entre a presidente Dilma Rousseff e empresários japoneses e brasileiros durante a reunião do Grupo de Notáveis do Comitê de Cooperação Japão-Brasil.

“A proporção do PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro que é dedicado à logística em relação ao Japão é grande, o que significa um problema, mas também uma oportunidade para os japoneses participarem nesse processo das ferrovias e portos”, avaliou diretor-presidente da Vale, Murilo Ferreira, que esteve no encontro.

O líder do grupo de notáveis e vice-presidente da CNI (Confederação Nacional da Indústria), Carlos Mariani Bittencourt, afirmou que a experiência japonesa na implantação de ferrovias poderá ser usada na expansão da rede no Brasil.

“Os representantes japoneses deram a conhecer que eles têm desejo de participar no desenvolvimento da nova rede de transportes. Eles citaram a experiência japonesa em termos de desenvolvimento de redes ferroviárias, como no caso da Rússia, em que o Japão está desenvolvendo um novo sistema de rede. E a presidente estimulou os empresários japoneses a virem e aplicar os mesmos princípios, a mesma competência que está utilizando na Rússia e na Índia aqui no Brasil, casado com o melhoramento dos portos”, disse Bittencourt.

Brasileiros e japoneses também discutiram oportunidades de investimentos na exploração de óleo e gás, inclusive no Campo de Libra, e na formação de profissionais, por meio do Programa Ciência sem Fronteiras.

O Campo de Libra, na camada pré-sal, a 160 quilômetros do litoral do Rio de Janeiro, foi descoberto pela Petrobras em 2006 e tem produção estimada entre 8 e 12 bilhões de barris de petróleo.

COMMENTS