Competências e habilidades de um gestor de TI

O especialista Anírio Neto destaca algumas das principais características que um bom gestor de Tecnologia da Informação deve ter no dia a dia para cumprir com suas funções

O que muda com a nova estrutura organizacional da ANTT?
O perigo viaja ao lado
Gestante na direção veicular

A atual nada mole vida de um gestor de TI exige competências e habilidades que fazem com que este herói execute vários papéis no seu dia a dia. Não adianta mais ser apenas um bom desenvolvedor de software ou ser apenas um técnico respeitado. Atualmente, os gestores de TI precisam de muito, muito mais que isso.

Sou reconhecido no mercado TRC por batalhar para que a TI seja uma área estratégica, e não exclusivamente uma área de apoio. E graças a vários outros esforços, esta visão ganhou força e muitas empresas já levam seus gestores de TI para as reuniões de planejamento. Isso é bom para a empresa e para a área de TI, mas o gestor tem que saber o que fazer com esta oportunidade. Ele precisa sair do operacional, é mandatório!

Se a empresa considera TI como estratégico, ela pouco valoriza as competências técnicas do gestor desta área. Mas, como ele precisa fazer a gestão de toda a área, não pode deixar de lado os conhecimentos específicos. É necessário que ele saiba jogar em várias posições, não precisa ser o melhor lateral esquerdo do mundo, mas precisa saber bem quando atacar, quando defender, entender bem as instruções do técnico, saber dos objetivos do clube, ficar de olho numa vaga na seleção e saber se comunicar para dar entrevistas.

Quando está em reunião com a alta gestão, deve ter domínio para falar sobre o negócio da empresa, sem colocar barreiras ou imposições técnicas, pois neste momento, elas não favorecem o diálogo e impedem a visão ampla da estratégia empresarial. O gestor de TI deve se comportar como se fosse o dono do negócio. Quando oportuno, deve falar sobre a necessidade de um projeto para atender alguma demanda e deixar a conversa seguir. É desanimador para a alta gestão, quando a TI diz simplesmente que não tem como fazer.

Para que a empresa cresça, é necessário que TI esteja alinhada com o planejamento, bem como não há mais sentido em fazer TI por TI, ou seja, trocar equipamentos só porque saiu uma nova versão do software X, sem que este software seja fundamental para a empresa atingir seus objetivos.

Quando está em reunião com fornecedores, deve ter o domínio dos grandes negociadores. Só pedir descontos ou ficar fazendo leilão não é mais relevante. É outro momento em que deve mostrar o quanto atualizado está em relação ao mercado de TI e do negócio. A bagagem técnica é bem vinda, bem como envolver a equipe para que participe desde o início do processo e também possa dar o apoio técnico necessário. Os fornecedores precisam vender para sobreviverem e o gestor de TI precisa conhecer bem os processos de orçamentos, compras de produtos e serviços da sua empresa para evitar transgredir regras e ter problemas futuros. Se já chegou a ponto de fechar o contrato, é porque o check-list técnico com comparativos entre fornecedores e produtos está pronto, completo, bem estruturado e realmente não falta mais nada.

Quando está em reunião com seus colaboradores, mais uma vez precisará que o arcabouço técnico venha à tona. É absolutamente natural que os técnicos tenham outra visão sobre um determinado processo, tenham o seu jeito de fazer a mesma coisa, tenham outras ferramentas que consideram melhor. Eles vivem fuçando em tudo e são especialistas em suas funções, por isso estão preparados para desenrolar um tapete de opções sobre um só tema. O gestor de TI deve ter a habilidade de saber ouvir as opções, ponderá-las, saber convencer quando do sim ou do não. Quando estiver convencido deve ponderar novamente, comunicar a decisão e assumir os riscos pela escolha. O gestor de TI deve saber dividir os sucessos com sua equipe, e assumir a responsabilidade por um fracasso.

Quando está em reunião com as áreas de negócios, o gestor de TI deve novamente assumir o papel de dono da empresa. Deve saber olhar para o problema ou projeto por outro prisma. Entender a visão do usuário é fundamental para que a TI atenda as demandas. Saber apresentar uma ideia ou um novo conceito sem ofender os conhecimentos do colega é outra habilidade fundamental. Evitar conflitos entre a equipe de TI e as áreas de negócio, faz parte do dia a dia do gestor, e deve ser feito de maneira sensata. É justamente neste ponto que os empresários buscam profissionais com competência de “comunicação interpessoal”. O gestor de TI desprovido deste conceito, tem conflitos diariamente e perde o foco da sua principal função.

Quando em reunião com clientes, outras competências e habilidades são exigidas do gestor de TI. Deve dizer sim para tudo que o cliente pedir? Vai mesmo conseguir atender? Ou, deve dizer não para alguns itens? Será que o cliente e a área de negócios vão gostar? São decisões que devem ser tomadas em segundos, e suas respostas, sua postura, seu conhecimento e capacidade de discernimento são colocados à prova. Para evitar problemas, o gestor de TI deve se preparar previamente para a reunião, entender com as áreas de negócios as possíveis demandas, os problemas ou projetos atuais que envolvem o cliente, discutir (mesmo que rapidamente) com a própria equipe sobre possíveis soluções e ser sincero no momento da reunião, dando prazos verdadeiros, dizendo sim para os itens plausíveis e comunicando que aqueles que merecem mais prazos ou investimentos, necessitam de um projeto específico.

Quando em reunião com órgãos governamentais, deve ter visão de estadista. A visão global é exigida, pois o órgão não vai atender somente sua necessidade. O projeto deve atender a todos os contribuintes e os ganhos devem ser para todos. Aqui, o gestor de TI deve mostrar que não só conhece o negócio de sua empresa, mas também conhece o mercado no qual sua empresa atua. Sua visão deve ir além dos muros da empresa e defender o concorrente é visto como altruísmo, pois a preocupação é com o todo.
Como se não bastasse, os gestores de TI precisam ser inovadores. Sim, manter os negócios funcionando é necessário e fundamental, mas não suficiente. A empresa espera estar na vanguarda da tecnologia, espera que o gestor de TI leve novas ideias, leve melhorias aos processos, ganhos de produtividade, redução de custos, e mais tantos outros itens. Para isso, o chamado CIO (Chief Information Officer) deve saber exatamente as novidades do mundo de TI, diferenciar os aplicáveis dos modismos, conhecer os aplicáveis em sua empresa, bem como deve acompanhar o mercado de sua empresa, saber como a concorrência está lidando com determinado assunto. No TRC é normal ouvir da alta gestão a pergunta “… e como a empresa XYZ resolveu isso? …” e fará bem aos ouvidos do presidente saber que sua empresa está na dianteira sobre um determinado tema. Isso quando não é exigido que se esteja na frente em todos os temas.

Para não ser lembrado apenas em situações negativas, o gestor de TI deve saber comunicar as ações de benfeitorias promovidas pela equipe de TI. Elas existem e são muitas, e devem ser apresentadas de maneira correta (data, local, pessoas, ferramentas, etc.) não podem passar desapercebidas, pois são oportunidades para a TI ser vista como solução. Como o ditado diz que “quem não comunica, se estrumbica”, esta é outra competência fundamental do CIO.

Um outro destaque é a gestão de pessoas. Contratação, retenção e desenvolvimento de colaboradores é uma arte e uma capacidade cada vez mais requerida. Ser um líder na área de TI não é fácil, todos os stakeholders exigem que o gestor de TI seja o exemplo em tudo. A equipe precisa chegar ao nível onde reconheçam o gestor como um líder, confiem nele, acreditem em suas palavras, saibam dos objetivos, tenham as funções e obrigações bem definidas e claras, metas estabelecidas e reconhecimento conquistado. Além de hardwares, softwares, conceitos, frameworks, bancos de dados, a TI é feita principalmente por pessoas. A forma como a gestão é sobre os colaboradores é que definirá os resultados do trabalho de toda a equipe.

Quando está sozinho em sua sala, o gestor de TI tem que pensar, analisar, ponderar se todas as suas competências e habilidades estão sendo suficientes para atender a todos. Aprender constantemente é uma obrigação. Refletir sobre tudo isso é vital.

Até a próxima!

Anírio Neto é especialista em Tecnologia da Informação aplicada ao Transporte de Cargas e à Logística.

anirioneto@gmail.com

 Visite o perfil do articulista

É proibida a reprodução do conteúdo deste artigo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do Portal Transporta Brasil. As opiniões emitidas nos artigos são de inteira responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião do Portal Transporta Brasil.

COMMENTS