Eixo suspenso será cobrado nas praças de pedágio de SP a partir do dia 28/7

Eixo suspenso será cobrado nas praças de pedágio de SP a partir do dia 28/7

Medida foi publicada no Diário Oficial da União de domingo (24/7); categoria alega que cobrança afetará consumidor final inevitavelmente

SP ainda não cobra por eixo suspenso, diz Artesp
Justiça de SP mantém anulação de aumento de tarifas de pedágios
Rodoanel terá novo pedágio na saída da Rodovia Dutra

roubo-cargas-pf

Conforme medida publicada no Diário Oficial da União desta quarta-feira (24/7), a partir do próximo domingo (28/7), ônibus e caminhões terão de pagar pedágio relativo a todos os eixos, incluindo os suspensos, em rodovias do Estado de São Paulo.

A cobrança foi anunciada pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB) em 24/6 com validade a partir de 1º de julho, data em que o governo adiou a medida após uma série de protestos organizados por motoristas de caminhão. Naquela manhã, os transportadores bloquearam a Via Anchieta, a Castello Branco e o Rodoanel.

A Artesp (Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados de Transporte do Estado de São Paulo) alega que os transportadores suspendiam os eixos quando se aproximavam das cabines de pedágio, mesmo quando a quantidade de carga exigia o reforço. Além de poder causar acidentes, essa prática precipita a deterioração do pavimento das pistas. Além disso, a cobrança já é feita nos pedágios das rodovias federais.

Segundo a categoria, o aumento encarecerá o valor do frete e, consequentemente, afetara o orçamento dos consumidores. Na Via Anchieta, a cobrança por eixo chega a R$ 21,20.

Na ocasião, Alckmin apontou o acréscimo como uma das escolhas de receita para suprir a defasagem causada pelo congelamento do reajuste dos pedágios nas rodovias estaduais para carros de passeio, que seria de 6,5%.

COMMENTS