Alta demanda faz centro de logística da Renault no Brasil crescer

No ano passado, Centro de Distribuição localizado em Curitiba (PR) exportou 2.270 contêineres de peças para França, Romênia, África do Sul, Índia, Colômbia e México

Fluxo de veículos em rodovias privadas cai 1,2% no 1º semestre
IPVA Amapá 2014
Montadoras de caminhões retomam produção, mas 2012 deverá ser menor que 2011

producao-renault

Com a conclusão das obras no Complexo Ayrton Senna, localizado em São José dos Pinhais (PR), a capacidade instalada da Renault subiu de 280 mil para 380 mil veículos anuais. Este acréscimo de produção, somado ainda à fabricação anual de quase 400 mil motores, faz com que desenvolva também a necessidade de aumentar a cadeia de fornecimento de componentes.

Atualmente, 80% das peças utilizadas pelas fábricas da Renault são produzidas no Brasil, provenientes de 246 fornecedores. Já o restante vem de fornecedores localizados nos quatro continentes e, para chegarem ao seu destino final, contam com um sistema de logística denominado ILN (International Logistics Network), que é um centro de distribuição de peças responsável pela importação e exportação de componentes, em todo o mundo.

Em operação desde 2000 e comandado pela diretoria de Supply Chain das Américas, o ILN Curitiba (PR) colocou o Brasil na rota mundial de fornecedores do Grupo Renault, articulando-se a uma rede formada por outros sete centros logísticos.

Situados em posições estratégicas ao redor do mundo – França, Espanha, Turquia, Argentina, Romênia, Índia e Coreia do Sul – estes centros dão suporte logístico a todas as 38 unidades de produção do Grupo Renault presentes em 29 países.

Criado em 1975, na França, o conceito de ILN passou po r uma série de evoluções, que hoje define a rede internacional de logística responsável por dar suporte ao desenvolvimento internacional de todo o Grupo Renault.

Hoje, os oito centros ILN estão em conexão, buscando, em todo o mundo, os fornecedores que oferecem as melhores condições de produção, considerando a qualidade do produto e aspectos como custo e tempo da operação logística.

ILN em números

• Contêineres importados em 2012 com destino a São José dos Pinhais: 8.984;
• Contêineres exportados em 2012 com destino à França, Romênia, África do Sul, Índia, Colômbia, México: 2.270 contêineres e 894 caminhões (com destino à Argentina);
• Fornecedores brasileiros: 246, entre os quais 138 que atendem o mercado externo;
• Volume transporta do pelos centros ILN em 2012: 3.849.174m³.

COMMENTS