Volvo testa caminhão que polui 10% menos que os Euro 5

Veículo modelo FM 460cv movido a diesel e GNL (Gás Natural Liquefeito) pode ser futura alternativa para o mercado brasileiro de caminhões

Metro-Shacman recebe habilitação definitiva do Programa Inovar-Auto
Protege atenderá demanda de transporte de valores no Rio de Janeiro com VW Constellation customizado
Programa Transporta Brasil direto da fábrica da Mercedes-Benz em Campinas (04 de novembro) – completo

volvo-caminhao-gas

A montadora Volvo, em parceria com a empresas de gases industriais White Martins, está testando no Brasil um caminhão modelo FM 460cv movido a diesel e GNL (Gás Natural Liquefeito) que emite 10% menos CO2 se comparado com os veículos com tecnologia Euro 5 movidos exclusivamente a diesel.

O protótipo circula 580 quilômetros por viagem, em um trajeto de ida e volta de Paulínea a Avaré, no interior de São Paulo. O veículo roda carregado com 15 toneladas de GNL em uma operação real de transporte à distribuição de gás natural feita por meio de gasodutos.

O modelo possui um tanque de diesel com capacidade para 330 litros e um tanque de GNL com 290 litros.

“Os resultados dos primeiros testes mostraram um excelente indice de substituição do diesel pelo GNL nas condições de estrada em que está rodando, com topografia ondulada”, afirma Sérgio Gomes, diretor de estratégia de caminhões do Grupo Volvo América Latina.
Segundo o executivo, o índice de substituição do diesel pelo GNL nos primeiros meses de testes no Brasil é de cerca de 65%.

”Em comparação com os motores convencionais a gás com vela de ignição, a tecnologia com GNL desenvolvida pela Volvo oferece 30 a 40% a mais em eficiência, o que, por sua vez, reduz o consumo de combustível em 25 %”, observa Alberto Neumann, gerente de estratégia e desenvolvimento de negócios.

O gás em estado liquefeito permite armazenar mais combustível nos tanques em comparação com o combustível comprimido. Isto proporciona ao caminhão GNL uma autonomia maior do que a dos caminhões tradicionais movidos a gás que fazem uso da tecnologia de velas de ignição.

“Os primeiros resultados são animadores e temos potencial para viabilizar a comercialização de caminhões GNL no Brasil em um futuro próximo. A aplicação da tecnologia já se mostro u viável na Europa e a oferta de GNL no Brasil é muito boa”, destaca Gomes.

COMMENTS