Embraer anuncia segunda geração da família de E-Jets

Segundo fabricante de aeronaves, o E190-E2 passará a ser utilizado comercialmente no primeiro semestre de 2018, já o E195-E2 entrará em serviço em 2019 e o E175-E2 em 2020

Aviação doméstica brasileira transportou cerca de seis milhões de passageiros em fevereiro
Embraer projeta entrega de 700 jatos de até 130 lugares na América Latina em 20 anos
Comissão aprova aeronave movida a biocombustível

embraer-familia-avioes

A Embraer anunciou nesta segunda-feira (17/6) o lançamento da segunda geração da família de E-Jets de aviões comerciais, denominada E-Jets E2 e composta por três novos aviões – E175-E2, E190-E2 e E195-E2.

O E190-E2 passará a ser utilizado comercialmente no primeiro semestre de 2018, já o E195-E2 está programado para entrar em serviço em 2019 e o E175-E2 em 2020.

“Depois de mais de uma década de sucesso, os E-Jets se tornaram uma realidade nas frotas das companhias aéreas em todo o mundo”, disse Frederico Fleury Curado, diretor-presidente da Embraer. “O lançamento do E2 se baseia na nossa visão de oferecer jatos comerciais com tecnologia de ponta e capacidade adequada para o segmento de 70 a 130 assentos, com o mesmo padrão superior de conforto e desempenho do s grandes aviões”.

O E175-E2 foi estendido em uma fileira de assentos, em comparação com o E175 da geração atual, e terá capacidade para até 88 passageiros, enquanto o E190-E2 mantém o mesmo tamanho que o E190, de até 106 lugares. Já o E195-E2, em comparação com o atual E195, cresceu três filas de assentos e pode acomodar até 132 assentos.

“Temos investido continuamente no programa dos E-Jets com o objetivo de manter nossos clientes competitivos com os aviões que têm os menores custos operacionais e maior apelo junto aos passageiros, h oje e no futuro”, disse Paulo Cesar Silva, presidente e CEO da Embraer Aviação Comercial.

A combinação de uma nova asa com maior alongamento e aprimoramentos de sistemas e aviônicos – o que inclui a quarta geração de comandos de voo fly-by-wire e os motores de alto desempenho da Pratt & Whitney PurePowerTM Geared Turbofan – resultará em reduções de dois dígitos no consumo de combustível, nas emissões, ruído e custo de manutenção e aumento na disponibilidade das aeronaves.

Os E-Jets E2 serão capazes de ter custo por assent o semelhante ao de aeronaves narrow-body maiores remotorizadas, com um custo por viagem significativamente menor, criando assim novas oportunidades de desenvolvimento de novos mercados com risco reduzido e o dimensionamento correto da frota pelas companhias aéreas.

A Embraer estima que o investimento total para o desenvolvimento dos novos modelos dos E-Jets E2 será de US$ 1,7 bilhão ao longo dos próximos oito anos.

A Embraer prevê uma demanda de 6.400 jatos comerciais com capacidade de até 130 lugares ao longo dos próximos 20 anos. Com mais de 1.200 enco mendas de E-Jets, a Embraer detém 42% do mercado em seu segmento. Mais de 950 E-Jets foram entregues até o momento para 65 clientes de 47 países. Ainda este ano, o milésimo E-Jet deixará a linha de montagem, nove anos após o primeiro avião entrar em serviço.

COMMENTS