Boeing, Embraer e FAPESP divulgam Plano de Ação voltada para indústria de biocombustível

Relatório tem como objetivo apontar rumos para o desenvolvimento de uma indústria de biocombustíveis para o setor aéreo no Brasil

Swiss oferece voos entre SP e Pequim, na China
Infraero reinicia obras de recuperação da pista do aeroporto de Rio Branco (AC)
Acesso à internet gratuita atinge 1,85 mil nos aeroportos de CE, BA e PE

boeing-747novo01

As fabricantes de aeronaves Boeing e Embraer, juntas com a FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo), divulgaram nesta segunda-feira (10/6) um documento intitulado “Plano de Voo para Biocombustíveis de Aviação no Brasil: Plano de Ação”. O objetivo do relatório é apontar rumos para o desenvolvimento de uma indústria de biocombustíveis para o setor aéreo no Brasil.

Resultado de uma série de oito workshops realizados entre maio e dezembro de 2012 (em São Paulo, Belo Horizonte, Piracicaba, Campinas, São José dos Campos, Rio de Janeiro e Brasília), o documento visa também oferecer recursos para atender à meta da indústria de aviação de crescimento neutro de carbono até 2020 e uma redução de 50% nas emissões de CO2 até 2050, porém tendo como base os níveis de 2005.

Dentre os tópicos indicados, o texto contempla as seguintes recomendações: preencher lacunas de pesquisa e desenvolvimento na produção de matérias-primas sustentáveis; incentivar a superação de barreiras nas tecnologias de conversão, incluindo questões de aumento de escala; promover maior envolvimento e interação entre setor privado e governo; criar uma estratégia nacional para fazer do Brasil um país líder no desenvolvimento de biocombustíveis de aviação.

Pesquisadores e representantes brasileiros e estrangeiros da indústria aeronáutica, de empresas aéreas, de produtores e de agências governamentais avaliaram as oportunidades e desafios tecnológicos, diferentes matérias-primas, meios de conversão e logística, além da v iabilidade econômica e sustentável para o desenvolvimento desse tipo de combustível no Brasil. O estudo multidisciplinar foi coordenado pela Unicamp (Universidade Estadual de Campinas).

Os especialistas indicam, por exemplo, a necessidade de pesquisas que levem ao desenvolvimento e uso de matérias-primas sustentáveis, que contenham açúcares, amido e óleo, mas também resíduos como lignocelulose, resíduos sólidos e gases de exaustão.
“A Boeing está comprometida em trabalhar em parceria com o Brasil para desenvolver tecnologias que possam ser usadas em escala global e essa parceria é mais um passo para a conquista dessa meta”, afirma Donna Hrinak, pre sidente da Boeing Brasil.

“Esse projeto confirma o potencial do Brasil para desenvolver e fornecer biocombustíveis de aviação, graças à sua larga experiência em bioenergia”, sintetiza o vice-presidente executivo de Engenharia e Tecnologia da Embraer, Mauro Kern. “O estudo aponta para os desafios que precisam ser superados para que isso se concretize, os quais demandarão intensa colaboração entre os setores envolvidos”, conclui.

COMMENTS