Medicamentos que interferem na direção veicular

Em seu novo artigo, o Dr. Dirceu Rodrigues Alves Jr. traz uma lista dos medicamentos que podem acarretar em interferência importante no ato da direção, causando risco de acidentes

Análise da Segurança Privada – Gestão 2012
Ferroviários, liguem o trem da educação!
A incoerência na modificação da Lei 12.619

A direção veicular sobre duas ou mais rodas exige do motorista equilíbrio, concentração, atenção, percepção, resposta motora rápida, sensibilidade tátil, visão, audição e algumas outras condições para o perfeito desempenho.

Todo organismo tem necessidades básicas para o seu funcionamento. É comum entre nós, a utilização de medicamentos por conta própria, sem a orientação do profissional de saúde. Isso é um grande risco.

Veja alguns medicamentos e seus efeitos na direção veicular:

  • Antidepressivos (para depressão e transtornos de ansiedade, por exemplo): perda de atenção, concentração, vigília e dificuldade de visão;
  • Analgésicos (usados comumente contra dores): sonolência;
  • Ansiolíticos e tranquilizantes (medicamentos usados para controlar a ansiedade, por exemplo): os efeitos são sonolência, redução dos reflexos e demora no tempo de reação;
  • Antiepilépticos (usados em epilepsia e transtorno de déficit de atenção): sonolência e confusão mental;
  • Hipnóticos (usados para combater insônia e induzir anestesia): sonolência;
  • Relaxantes musculares (para cólicas, por exemplo): sonolência e reações lentas;
  • Estimulantes (também presentes em medicamentos para emagrecer): irritabilidade e sono;
  • Broncodilatadores (para desobstruir as vias aéreas): taquicardia, tremores e convulsão;
  • Antieméticos (para enjoos): sonolência;
  • Hipoglicemiantes, insulina (usados no tratamento de diabetes): tremores e convulsão;
  • Neurolépticos (para o tratamento de psicoses): redução dos reflexos, demora no tempo de reação, sedação e sonolência;

Algum remédio pode dar positivo no teste do bafômetro?

Não, mesmo aqueles que contenham álcool, porque a quantidade é mínima e o teor alcoólico é baixo. Não produzirá efeitos sobre o sistema nervoso central. Imediatamente após fazer uso do medicamento possivelmente haverá um resíduo na boca. Ao soprar o bafômetro pode ser que até apareça algum teor de álcool, mas, soprando minutos após, o teste mostrará nível zero. É o mesmo que acontece quando se come um bombom com recheio de licor. O teor alcoólico presente na boca não faz parte do ar alveolar expirado. No bafômetro a dosagem será zero.

O que fazer quando é preciso tomar um remédio e dirigir logo depois?

Precisa o motorista ter pleno conhecimento das ações do medicamento. Cada organismo é um organismo, não são todos iguais e reagem de maneiras bem diferenciadas.

Alguns são capazes de produzir efeitos indesejáveis e provocar um acidente de trânsito. Exemplos comuns em nosso meio é o uso de um antialérgico, descongestionante nasal, tranquilizante, moderador de apetite e muitos outros. Sabemos que no nosso país temos por hábito fazer à automedicação, como já dissemos, e isso se torna risco muito grande não só para a saúde do indivíduo como também aumenta em muito o risco de acidente.

Alguns tipos de xaropes para a tosse, por exemplo, e até analgésicos usados para uma simples dor de cabeça são capazes de produzirem efeitos devastadores e consequências imprevisíveis. Nossos organismos são diferentes um dos outros e dessa forma reagimos também diferentemente. O que é bom para uns pode ser verdadeiro veneno para outros.

Existem medicamentos que tem ação depressora, produzindo torpor, sonolência, tonteira, debilidade. Outros com ação estimulante, produzindo perda do sono, agitação, redução da fome, alteração de reflexos o que nunca pode acontecer na direção de qualquer veículo.

Ao usarmos um medicamento quando estamos no exercício de atividade veicular precisamos ter pleno conhecimento dos efeitos colaterais e efeitos adversos que tal produto possa nos causar. Percebendo algum sintoma devemos interromper imediatamente a atividade, repousar, ingerir bastante líquido, para dessa forma, aumentar o processo de eliminação da droga do organismo e receber orientação do médico. Devemos manter tal conduta até que haja regressão total de tais sintomas. Insistir na direção é muito perigoso. A possibilidade de acidente é iminente.

Qualquer medicação recomendada pelo médico deve ser acompanhada de explicação minuciosa sobre os efeitos que podem ser observados, a dose a ser usada, o tempo de ação, os riscos com relação à atividade veicular e qual deve ser o comportamento do indivíduo diante de sinais e sintomas. Caso o médico esqueça-se de dar tal informação, pergunte, não deixe o consultório enquanto não houver os esclarecimentos necessários. Não saia com dúvidas. Ao chegar a casa, se esqueceu de perguntar algo, telefone para o doutor, pergunte, tire a sua dúvida. Você estará fazendo a sua prevenção.

O que na bula pode indicar que o remédio compromete a habilidade para dirigir?

Na bula há recomendações de contra indicações e efeitos colaterais. Ali podemos obter informação da repercussão sobre o organismo. De longa data a ABRAMET conseguiu a aprovação de um logotipo de proibição do uso do medicamento quando na direção veicular a ser colocado na caixa do medicamento. Infelizmente, apesar da aprovação, até hoje não foi implantado.

Dr. Dirceu Rodrigues Alves Júnior, médico, diretor da ABRAMET (Associação Brasileira de Medicina de Tráfego – www.abramet.org.br)
drdirceu@transportabrasil.com.br

Visite o perfil do articulista

É proibida a reprodução do conteúdo deste artigo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do Portal Transporta Brasil. As opiniões emitidas nos artigos são de inteira responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião do Portal Transporta Brasil.

COMMENTS