Blitz no Paraná identifica 28 casos de descumprimento à Lei do Motorista

Blitz no Paraná identifica 28 casos de descumprimento à Lei do Motorista

Fiscalização envolveu quatro postos de polícia, dois em Curitiba, um em Cascavel e outro em Maringá; Ministério Público do Trabalho pretende intensificar vigilância em parceira com a Polícia Rodoviária Federal, e planeja ações de vistoria para outros Estados em breve

Lei Seca vai flagrar uso de drogas psicotrópicas em São Paulo
Governo reforça fiscalização nas estradas no fim de ano
Proposta da Câmara volta a modificar a Lei Seca

caminhao

A Polícia Rodoviária Federal, em operação com o MPT (Ministério Público do Trabalho), intensificou a fiscalização da Lei do Motorista (12.619/12) no Paraná. Nesta terça (28/5), foram emitidas 28 multas aos caminhoneiros e identificados 28 casos de irregularidades trabalhistas praticadas por empresas transportadoras e embarcadoras paranaenses.

A blitz envolveu quatro postos de polícia, sendo dois em Curitiba, um em Cascavel e outro em Maringá. No total, foram fiscalizados 115 motoristas de caminhão. As infrações foram encaminhadas ao Ministério no Estado com o objetivo de dar início a um processo de investigação.

Para o procurador do Trabalho Paulo Douglas Almeida de Moraes, os motoristas têm o interesse em cumprir a legislação, mas as empresas não têm orientando nesse sentido. “Portanto, com as irregularidades encaminhadas pela polícia, vamos apurar. Se for constatado descaso com a lei podemos entrar com ações civis públicas contra elas”, comenta.

O descaso das empresas foi relatado pelo motorista Francisco Afonso Tripodi, de Ponta Grossa. Ele foi flagrado descumprindo o descanso de 11 horas. Só cumpriu nove horas. De acordo com o caminhoneiro, ele quis parar, porém a empresa não o autorizou a descansar.

“Agora é bom ser multado para ela saber que existe lei contra isso”, disse, Tripodi, que na ocasião transportava óleo vegetal de Lucas do Rio Verde (MT) para o porto de Paranaguá (PR).
Neste caso de descumprimento da lei 12.619/12, os caminhoneiros classificados como infratores devem arcar com multa de R$ 127,69 e a perda de cinco pontos na CNH (Carteira Nacional de Habilitação).

A Lei do Motorista prevê jornada diária de oito horas, intervalo de pelo menos 30 minutos a cada quatro horas contínuas na direção, descanso entre jornadas de 11 horas, entre outras regras de proteção e segurança ao motorista profissional.

Com o objetivo de fazer valer a regra, a operação feita no Paraná será replicada em outros Estados nas próximas semanas, em parceria com a Polícia Rodoviária Federal.

Decisão polêmica

A lei entrou em vigor em agosto de 2012, e desde então ela tem sido alvo de protestos de parte dos caminhoneiros e transportadores. Uma parcela do setor contesta sobre os benefícios da regra de descanso, alegando que as rodovias brasileiras não têm pontos de parada. Além disso, empresários afirmam que a lei encarecia o frete, reduzindo ofertas de trabalho e aumentando o custo do transporte.

As multas a quem não cumpre a lei estavam suspensas desde setembro por uma resolução do Conselho Nacional de Trânsito. O documento também determinava que o governo elaborasse uma lista das vias com áreas adequadas para descanso. O MPT entrou na Justiça contra a resolução, que acabou sendo derrubada há duas semanas.

Para mais informações sobre a Lei do Motorista, acesse este link.

COMMENTS