Boeing soluciona problema da bateria do 787 e recebe certificação do FAA

Fabricante americana conseguiu a aprovação do órgão de controle do transporte aéreo dos Estados Unidos para a solução proposta para a bateria do 787 Dreamliner, após alguns incidentes com aeronaves na América e na Ásia. Retomada dos voos comerciais com o modelo ainda não foi aprovada

Companhia aérea da Etiópia será a primeira a operar o Boeing 787 em aeroportos brasileiros
Boeing retoma fase de testes para o 787 Dreamliner
Boeing 787 retoma operações pela United Airlines

boeing-787-chile

A Boeing anunciou esta semana que obteve a aprovação do FAA, órgão que regula o transporte aéreo nos Estados Unidos, para o plano de testes e certificações do sistema de baterias do 787 Dreamliner, o mais moderno avião da fabricante, que teve diversos incidentes nos últimos meses na Ásia e na América do Norte.

Na prática, o sistema de testes foi aprovado e o FAA precisa, ainda, aprovar a retomada dos voos comerciais com o modelo, após o sucesso em cada etapa dos testes. “Nossa maior prioridade é a integridade de nossos produtos e a segurança dos passageiros e da tripulação que voam neles”, disse Jim McNerney, chairman, presidente e CEO da Boeing. “Após os incidentes de janeiro, nossa equipe trabalhou ininterruptamente para entender os problemas e desenvolver uma solução baseada em amplas análises e testes. A aprovação que recebemos da FAA hoje é muito bem-vinda, e crítica para que a frota possa voltar a voar e continuar cumprindo a promessa do 787″, disse o executivo.

Ray Conner, presidente e CEO da Boeing Commercial Airplanes, disse que a companhia buscou desenvolver uma solução permanente. “Trabalhando com especialistas em tecnologia para baterias, internos e externos, propusemos um conjunto abrangente de soluções que minimizam substancialmente qualquer possibilidade de falha na bateria e, ao mesmo tempo, garantem que nenhuma ocorrência na bateria venha a afetar a operação segura da aeronave”, disse Conner.

“Nossa proposta inclui três camadas de melhorias. Primeiro, melhoramos o desenho da bateria de modo a evitar a ocorrência de falhas e isolá-las, caso elas ocorram. Segundo, melhoramos os processos de produção, operação e teste para garantir que a bateria e seus componentes tenham os mais altos níveis de qualidade e desempenho. Terceiro, introduzimos um novo sistema de contenção que evitará que qualquer nível de superaquecimento na bateria afete a aeronave ou seja notado pelos passageiros, na improvável eventualidade de uma falha na bateria”, explica o presidente Conner.

As melhorias no desenho da bateria incluem ainda a adição de novos materiais de isolamento térmico e elétrico e outras mudanças. Uma das melhorias introduzidas nos processos de produção e teste é o exame mais rigoroso nas células da bateria, antes da montagem da mesma. Já as melhorias operacionais tiveram por foco reduzir a faixa de tensão do sistema. Uma característica importante da nova contenção é impedir a propagação de fogo na contenção ou na bateria. A Boeing informou que fornecerá mais detalhes sobre o novo desenho da bateria nos próximos dias.

Segundo a Boeing, a FAA também autorizou a empresa a iniciar as atividades de teste de voo em duas aeronaves: a de número de linha 86, que realizará testes para demonstrar que o conjunto abrangente de soluções funciona da forma esperada, tanto em terra quanto no ar; e a ZA005, que está programada para realizar testes de melhoria no motor, não relacionados ao problema na bateria. Outros testes podem ser programados, se necessários.

O plano de certificação requer uma série de testes para mostrar como o sistema de bateria remodelado se comportará em condições normais e atípicas. Os planos de teste foram redigidos com base nos padrões da FAA e nas diretrizes publicadas pelo comitê consultivo Radio Technical Commission on Aeronautics (RTCA), que oferece orientações sobre como atender as exigências regulatórias.  As diretrizes do RTCA não estavam disponíveis quando o plano original de certificação da bateria do 787 foi desenvolvido.

“Estamos muito confiantes em nosso conjunto de soluções e no processo que o certificará”, disse Conner. “Antes do retorno das operações comerciais dos 787s, nossos clientes e seus passageiros querem ter a garantia de que as melhorias introduzidas tornarão esta grande aeronave ainda melhor. E é isso que este programa de teste fará.”

COMMENTS