Mercedes, Ford e Nissan vão ampliar fabricação de veículos no Brasil

Empresas irão montar carros globais nas unidades brasileiras. Presidente da montadora alemã critica regime automotivo do governo brasileiro e aponta protecionismo

Ford entrega à Penske Logistics prêmio destaque de qualidade
Paraná retomará obras na Rodovia da Uva
Saída sentido SP no km 144 da Via Dutra será fechada para obras

A Mercedes-Benz pode voltar a produzir carros de passeio no Brasil, compartilhando a fábrica que a Nissan-Renaut está construindo em Resende (RJ), afirmou o CEO da montadora, Dieter Zetsche, ontem, durante o Salão do Automóvel de Detroit, nos Estados Unidos.

Ele destacou, porém, que essa é uma possibilidade, mas que não há data para tomar uma decisão.

Zetsche também não adiantou qual modelo poderia ser produzido no Brasil, mas deixou claro que a montadora não repetiria o que ele chamou de “erro de estratégia” cometido com o Classe A, que era produzido em Juiz de Fora, na Zona da Mata, mas que nunca chegou a deslanchar no mercado nacional.

O executivo disse que, na época, houve um erro de avaliação tanto dos custos de se produzir no Brasil, quanto do poder de compra dos brasileiros e que esses erros não seriam cometidos novamente.

A possibilidade de voltar a produzir veículos leves no Brasil está em discussão em razão do novo regime automotivo, o Inovar Auto, que impõe restrições aos carros importados. Zetsche disse que a empresa ainda espera que o governo leve em consideração sua presença no país e a produção de caminhões da unidade mineira.

Zetsche ainda criticou medidas protecionistas como as que o Brasil está adotando em relação aos carros importados. “Pode funcionar só no curto prazo, como reação a crise. No longo prazo, a tendência é que o país perca competitividade”, disse.

Outra que mira o Brasil é a Ford. A montadora norte-americana vai fabricar no país o Novo Fiesta Hatch a partir de abril. O modelo, que atualmente é importado do México, será produzido na fábrica de São Bernardo do Campo (SP).

A montadora investiu R$ 800 milhões para preparar a fábrica para produzir um carro global. A Ford não informou se haverá contratações.

Outra que pretende ampliar o leque de produção no país é a Nissan. A montadora nem terminou a fábrica de Resende (RJ), prevista para 2014, e já dá sinais de que vai fabricar mais do que os já anunciados Versa e Match. O Note foi lançado ontem em Detroit e deve integrar o portfólio da fábrica brasileira a partir do ano que vem.

COMMENTS