Transportadora Americana emite o 1º manifesto eletrônico do Brasil

Dando continuidade ao projeto CT-e, do Governo Federal, o MDF-e vem para substituir o atual formulário Modelo 25, com o objetivo de agilizar a conferência das cargas nos postos fiscais

Governo transforma Valec em Empresa Brasileira de Ferrovias
Governo lança medida para reduzir burocracia na venda de carros usados
Transportadoras de produtos perigosos deverão fazer recadastramento no IBAMA

A Transportadora Americana (TA) se antecipou à obrigatoriedade de entrega do Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais (MDF-e), prevista apenas para 2013, e emitiu o primeiro documento do Brasil no dia 1º de dezembro, em parceria com a fornecedora Synchro.

O objetivo da tecnologia é substituir o atual formulário Modelo 25, facilitando o registro em lote de documentos fiscais em trânsito e agilizando a identificação das unidades de carga, além de demais características do transporte, durante as vistorias nos postos fiscais.

“Hoje, há casos de caminhões que ficam parados por horas nos postos fiscais de algumas regiões, aguardando a conferência dos documentos. Isso pode gerar prejuízos incalculáveis para as empresas”, explica Shirley Rosseto, gerente de TI da Transportadora Americana. Para ela, a vantagem do MDF-e está justamente em agilizar essa conferência e, consequentemente, a entrega da carga.

O manifesto de carga eletrônico será utilizado pelas transportadoras sempre que existir mais de um conhecimento de transporte associado ao veículo e, para os demais contribuintes, sempre que promoverem a saída de mercadoria em veículo próprio, ou mediante a contratação de transportador autônomo, desde que destinadas a mais de um contribuinte do ICMS. Nesses casos, o documento consegue relacionar tudo o que está sendo transportado com seus respectivos conhecimentos de transporte e notas fiscais.

“Quando a viagem é de um Remetente para um Destinatário, a quantidade de notas fiscais é pequena, o Conhecimento de Transporte é do tipo Lotação e não existe a necessidade da emissão do Manifesto. Ele só é utilizado por empresas de transporte de carga fracionada, que chegam a transportar 100, 200 ou 300 CT-e’ em um mesmo veículo, com Notas Fiscais de remetentes e destinatários diferentes. É por isso que a conferência manual de tudo isso fica praticamente inviável”, conta Shirley.

O Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais (MDF-e) foi criado para dar continuidade ao projeto CT-e, que, por sua vez, traz informações geradas na própria NF-e. “”O Conhecimento de Transporte no modelo eletrônico nos trouxe vantagens internas, dentro da operação da transportadora, como a eliminação de papéis e uma maior agilidade nos processos de emissão. Já o MDF-e nos dará agilidade quando a carga já estiver em transporte”, conclui Shirley.

COMMENTS